Posts

‘Não existe uma fórmula mágica’, diz Milena Yamamoto sobre inclusão no mercado de trabalho

Tempo de Leitura: < 1 minutoDiagnosticada com autismo em 2018, Milena Yamamoto é uma das organizadoras do hackaton Autismo Tech, evento que promove a inclusão de autistas no mercado de trabalho. Em entrevista ao podcast Introvertendo liberado nesta sexta (14), a desenvolvedora contou sobre as expectativas das empresas em relação a dicas para efetiva inclusão de autistas em empresas.

“Eu acho que esperam que a gente tenha um livro texto, algo contendo regras de como cuidar do seu autista. E a minha resposta é super anticlimática também, porque não existe uma fórmula mágica, não existe regras fixas. A melhor forma de você incluir alguém na sua empresa e fornecer adaptação necessária é a escuta, você pratica essa escuta e dá total liberdade e oferece uma segurança na fala do seu funcionário”, disse ela.

Além de Milena, Joyce Rocha, também autista e UX designer, também fez reflexões sobre a importância da escuta. “A base de qualquer tipo de adaptação de característica que a pessoa tenha é o outro lado saber ouvir. Porque o autismo é muito diverso”, destacou. Rocha também é uma das pessoas por trás do Autismo Tech.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Podcast Introvertendo comemora 3 anos com episódio bônus ficcional

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, feito por autistas, comemorou 3 anos de lançamento nesta terça-feira (11). Publicado em maio de 2018, o projeto foi construído por autistas que estudavam na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia. Atualmente, fazem parte dele autistas de vários estados do Brasil, como São Paulo, Rio Grande do Sul e Amapá.

Em celebração à data, foi lançado o 173º episódio “Especial 3 Anos: RPG do Introvertendo”, uma história ficcional medieval construída por Paulo Alarcón, analista de sistemas, autista e integrante do podcast, que reuniu quase toda a equipe, além da participação especial da jornalista Sophia Mendonça, do O Mundo Autista.

Sobre o feito, o jornalista Tiago Abreu, um dos integrantes, contou sobre a iniciativa. “Conversamos sobre fazer um RPG comemorativo ainda em dezembro, por sugestão da Carol [Cardoso]. Eles empenharam bastante esforço durante meses para treinar e depois gravar. A etapa de edição também foi complexa. Tínhamos mais de 6h de material bruto em áudio”, afirmou.

Em 2021, o Introvertendo lançou episódios sobre múltiplos temas – hiperfoco, trabalho em grupo, autodiagnóstico, fogos de artifício e até um recente sobre a anti-neurodiversidade – e o plano é de alcançar a marca de 200 episódios até dezembro com temas inéditos debatidos por autistas.

Em dezembro de 2020, o Introvertendo foi eleito um dos melhores podcasts do ano pela plataforma Apple Podcasts. E, segundo Tiago, há planos futuros. “Temos muitos temas para gravar ainda. Diria que, se tudo der certo, temos episódios garantidos para até 2023 (risos). Estamos sempre pensando em novos formatos e este ano a parte técnica do podcast está totalmente sob o nosso controle. Quem nos acompanha já deve ter percebido a diferença”, destacou.

Anti-neurodiversidade é tema de debate em podcast

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (7) o seu 172º episódio, chamado “Anti-neurodiversidade”. O episódio teve como objetivo discutir o porquê pessoas dentro da comunidade do autismo, sobretudo mães, profissionais e até alguns autistas, rejeitam a ideia de neurodiversidade.

A neurodiversidade é um conceito criado na década de 1990 pela socióloga australiana Judy Singer e se tornou bastante popular entre autistas ativistas. No entanto, questionamentos sobre representatividade, ciência e ativismo rondam o assunto.

Sobre o tema, o jornalista Tiago Abreu argumentou que é um debate pouco presente no Brasil. “Existe uma discordância nada pequena com a neurodiversidade, mas isso não é discutido de forma sistematizada. Por isso decidimos fazer um episódio mais denso e longo do que o normal, com várias referências teóricas, e até com desabafos sobre coisas guardadas há tempos conosco. Esperamos que isso ajude a comunidade a amadurecer em alguns aspectos”, afirmou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Autistas comentam sobre hiperfoco em podcast

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (30) o seu 170º episódio, chamado “Hiperfoco”. O episódio contou com a participação de quatro pessoas diagnosticadas com autismo: o estudante Luca Nolasco, o analista de sistemas Paulo Alarcón, o jornalista Tiago Abreu e o programador e youtuber Willian Chimura.

O hiperfoco é uma característica socialmente discutida no autismo sobre a tendência de autistas terem um interesse fixo e rígido em objetos ou assuntos. Segundo os integrantes do Introvertendo, é uma característica que pode beneficiar autistas no mercado de trabalho, mas também pode trazer prejuízos dependendo do contexto. Apesar de ter sido cunhado como algo negativo, autistas tem ressignificado a característica para uma perspectiva positiva.

Willian Chimura afirmou que, em alguns contextos, autistas podem ser desumanizados e a ênfase apenas nos prejuízos é um desses exemplos. “A gente sabe no dia a dia que essa característica também está muito associada a coisas boas, até mesmo valorizadas, comumente, na sociedade. Até mesmo em um ambiente corriqueiro de uma empresa que exige que o seu funcionário, por exemplo, se mantenha focado em determinado projeto, com um nível de comprometimento acima da média”, destacou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Autistas discutem fenômeno do autodiagnóstico

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (24) o seu 169º episódio, chamado “Autodiagnóstico de Autismo”. O episódio foi conduzido pelo jornalista Tiago Abreu e pelo pesquisador e youtuber Willian Chimura, ambos autistas.

Segundo Abreu, o fenômeno do autodiagnóstico do autismo é comum entre autistas na internet. “Identificar o próprio autismo é o primeiro passo para muitos. Por outro lado, também há aquelas pessoas que não testam a hipótese de ser autista ou não, e há várias razões. É um tema extremamente delicado”, argumentou.

Os podcasters inicialmente mencionaram um estudo que investigou barreiras para o diagnóstico de autismo na vida adulta. Em seguida, Chimura e Abreu refletiram sobre as questões econômicas, sociais, profissionais e os vieses individuais em torno do fenômeno do autodiagnóstico.

Willian Chimura fez observações sobre o impacto do autodiagnóstico no ativismo do autismo. “Há várias discussões muito sérias que precisamos discutir na esfera pública, e nesse sentido eu entendo que em um estado de autodiagnóstico realmente há de se ter cautela, mesmo porque o desfecho desse processo pode revelar que, na verdade, não se trataria de um caso de autismo”, afirmou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Autistas comentam dificuldades de trabalho em grupo em podcast

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (16) o seu 168º episódio, chamado “O Problema do Trabalho em Grupo”. O episódio trouxe a participação de três integrantes da equipe – Carol Cardoso, Michael Ulian e Thaís Mösken -, todos autistas.

A discussão centrou-se na dificuldade comum, de vários autistas, na execução de atividades coletivas, entre elas o trabalho em grupo nos períodos escolares e também a colaboração coletiva em ambientes de trabalho. Thaís, a apresentadora do episódio, justificou a importância do tema dizendo que “trabalho em grupo permeia, infelizmente, ou, felizmente depende, sua vida inteira”.

Carol Cardoso, por sua vez, destacou que muitas pessoas não sabem se comportar em atividades coletivas. “A gente não é ensinado de como trabalhar em grupo. E eu não sei se isso é uma dificuldade específica do autismo, mas acho que tem um agravante. Mas será que não seria válido a gente estimular a trabalhar em grupo nas pessoas, de um modo geral? Porque tem muita gente que tem uns comportamentos que são muito antigrupos”, questionou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

“É o mínimo”, afirma Willian Chimura sobre aceitação do autismo

Tempo de Leitura: < 1 minutoO pesquisador e youtuber Willian Chimura promoveu uma reflexão sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo no 165º episódio do podcast Introvertendo – do qual é um dos integrantes. Sob o título “Dia Mundial do Autismo: Conscientização ou Aceitação”, o episódio foi conduzido pelo jornalista Tiago Abreu.

Na ocasião, Chimura comentou o fenômeno do ativismo autista que contesta o foco negativo do autismo no dia 2 de abril, para uma noção de que ao invés da conscientização, a aceitação fosse o principal objetivo. Para ele, “é o mínimo que a sociedade deveria ter, aceitar”.

“No meu entendimento, o objetivo de quem propaga essas mensagens é justamente o oposto, é justamente deixar muito claro que eles querem além do que só uma conscientização, que conscientização é o mínimo. A gente quer respeito, a gente quer interagir, a gente quer participar da sociedade, a gente quer serviços, enfim, tudo que envolve possibilitar uma melhor qualidade de vida”, argumentou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Autistas compartilham experiências sobre fogos de artifício em podcast

Tempo de Leitura: 2 minutos

O podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (1) o seu 155º episódio e o primeiro de 2021, chamado “O Problema dos Fogos de Artifício”. O episódio trouxe a participação de três adultos autistas e seus relatos sobre a virada de ano, especialmente a queima de fogos de artifício.

O analista de sistemas Paulo Alarcón citou que sofria com fogos de artifício na infância. “Mas com o tempo eu fui pegando o gosto e muito por causa do ambiente que eu fui criado. Eu fui criado grande parte da minha vida em Ubatuba, uma cidade litorânea aqui no litoral norte de São Paulo, uma cidade turística que tem a temporada aí na época das festas de Ano Novo e que tem uma queima de fogos extensiva feita pelos hotéis da região”, compartilhou.

Além disso, foi citado no episódio as discussões recentes dentro do legislativo brasileiro sobre fogos de artifício, incluindo a PL 6881/2017, que prevê a proibição de fogos de artifício com estouro em todo o país. O tema geralmente é abordado no contexto dos direitos dos animais, mas nos últimos anos também tem ganhado força em relação aos direitos dos autistas.

Segundo Tiago Abreu, um dos responsáveis pelo Introvertendo, “O Problema dos Fogos de Artifício” marca o início de um período de férias do podcast, em que apenas um episódio será lançado a cada duas semanas até o final do mês de fevereiro. Além disso, foi anunciado o ingresso definitivo de Carol Cardoso na formação. Ela já gravava com a equipe desde julho de 2020.

“A Carol é um achado, até porque ela não tinha redes sociais, nenhuma visibilidade na comunidade, e carregava experiências de vida diferentes por morar no norte do país. Mantínhamos contato desde 2019 e a primeira gravação com ela foi tão boa que continuamos a convidá-la mais vezes. É uma pessoa extremamente organizada e agradável que vai somar bastante no podcast em 2021, agora como integrante oficial”, afirmou Tiago.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Autistas contam histórias sobre direção de carros e autismo

Tempo de Leitura: 2 minutos

O podcast Introvertendo, produzido por autistas e com discussões sobre autismo, lançou nesta sexta-feira (10) o seu 152º episódio, chamado “Autistas no Volante”. O episódio trouxe a participação de cinco adultos autistas e as suas experiências com a direção de veículos como motos, tratores e, principalmente, carros.

O episódio trouxe a participação de cinco autistas: Thaís Mösken, a apresentadora, além do jornalista Tiago Abreu, o estudante de Medicina Otavio Crosara, a estudante de arquitetura Carol Cardoso e o estudante Michael Ulian. Todos eles, ao longo dos últimos anos, enfrentaram desafios ao dirigir veículos em torno das dificuldades do autismo.

Carol Cardoso reside em Macapá, no Amapá, e chegou a se envolver em dois acidentes. “Eu fico tão nervosa de dirigir, porque as coisas acontecem em um segundo. É muito fácil perder o controle da situação, porque acontece muita coisa ao mesmo tempo. Até hoje eu não entendo como tem gente que mexe no celular dirigindo, acho isso muito surreal, fora da realidade”, afirmou.

Além disso, Michael Ulian contou uma de suas experiências dirigindo um trator no interior do Paraná, Thaís Mösken relembrou conflitos de direção que enfrentou com um ex-namorado em São Paulo e Otavio Crosara destacou problemas durante dois processos de tirada de carteira de motorista na cidade de Goiânia.

Segundo Tiago Abreu, um dos responsáveis pelo Introvertendo, “Autistas no Volante” é o último episódio de bate-papo do podcast em 2020, que ainda lançará dois episódios comemorativos para encerrar o ano. Ele também falou sobre alguns planos da equipe do podcast, formada por 9 autistas adultos, para 2021.

“O Introvertendo tem muitas faces, uns episódios mais sérios e jornalísticos, outros mais despojados, alguns mais equilibrados. Este ano decidimos trazer um perfil mais sério, um estilo de podcast pop, limpinho e perfumado, bem de vitrine. Muita gente nos conheceu desta forma. Mas em 2021 queremos voltar a fazer coisas mais lúdicas, arriscadas e até ‘artísticas’ (risos). Vamos também fazer algumas pausas e em breve anunciaremos detalhes”, contou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

“As pessoas infantilizam o adulto autista”, afirma Sara Rocha

Tempo de Leitura: < 1 minuto

O podcast Introvertendo, produzido por autistas e dedicado a discutir autismo, lançou nesta sexta-feira (4) o seu 150º episódio, chamado “Capacitismo”. O episódio trouxe a participação de três ativistas e foi apresentado pelo jornalista Tiago Abreu, que é autista.

Um dos convidados foi o pesquisador Marco Antônio Gavério, doutorando em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e um dos teóricos sobre capacitismo no Brasil, a ativista e mãe Lau Patrón e a ativista portuguesa Sara Rocha, diagnosticada com autismo.

Sara Rocha reside no Reino Unido e possui uma página chamada “Autismo em Português”, onde fala sobre autismo para o público português e brasileiro. Ela criticou a infantilização de autistas, sobretudo por expressões como “anjo azul”. “A coisa do anjo realmente é algo que me incomoda bastante”, lamentou.

“O que acontece é que as pessoas infantilizam o adulto, ou seja, eles falam com o adulto como se fosse uma criança, ou então falam com uma criança como se ela não fosse inteligente apenas por ser não-verbal, por exemplo. E é algo que me incomoda bastante, porque só por ser não-verbal não significa que não é inteligente. Só por ser adulto autista não significa que não temos capacidades cognitivas de um adulto”, afirmou.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Podcast de autistas é eleito pela Apple um dos melhores de 2020

Tempo de Leitura: < 1 minuto

A Apple Podcasts liberou nesta terça-feira (1) uma lista de podcasts favoritos da plataforma em 2020. Entre os 12 nomes selecionados, está o Introvertendo, um podcast sobre autismo feito por autistas. O programa, produzido pela Superplayer & Co, foi lançado em maio de 2018 e aborda o autismo no cotidiano.

O jornalista Tiago Abreu, um dos organizadores da produção, comentou a seleção. “Nem tenho palavras pra dizer, só a alegria. 2020 foi um ano difícil em que nos dedicamos como nunca enquanto equipe, trabalhamos pesado no podcast, e contemplar isso apenas pode ser resumido com o sentimento de missão cumprida”, afirmou.

Neste ano, o Introvertendo produziu duas reportagens publicadas pela Revista Autismo: “Fé no Espectro”, capa da edição de nº 10 da revista, e “Raça”, integrante da edição de dezembro. Além disso, o editor-chefe da revista, Francisco Paiva Junior, esteve no episódio “Autismo na Turma da Mônica”, publicado em abril.

Além do Introvertendo, outros 12 podcasts foram reconhecidos: Praia dos Ossos (Rádio Novelo), Finitude (Rádio Guarda-Chuva / B9), Fora de Hora (Gshow), Rádio Uzona (Teatro Oficina Uzyna), Projeto Humanos (Half Deaf), 40 Semanas (Folha de S.Paulo), Futebol Bandido (UOL), Resumido (Bruno Natal), AmarElo – O filme invisível (Laboratório Fantasma), Discoteca Básica (Ricardo Alexandre) e Donos da Razão (Half Deaf). Por fim, A Terra É Redonda (revista piauí) foi eleito o podcast do ano.

Efeitos das mudanças climáticas para autistas é tema de podcast

Tempo de Leitura: 2 minutos

O podcast Introvertendo, produzido por autistas e dedicado a discutir autismo, lançou nesta sexta-feira (26) o seu 149º episódio, chamado “Autismo e Mudanças Climáticas”. O episódio, que teve como base as mudanças climáticas no mundo e o efeito para autistas, contou com as participações de Carol Cardoso, Tiago Abreu e Willian Chimura, todos autistas.

“Nossa abordagem, neste episódio, foi de tentar mostrar como as discussões ambientais e o autismo não são temas necessariamente distantes”, explicou Tiago Abreu, o apresentador. Entre as discussões feitas no episódio, também foi abordado o apagão no estado do Amapá, que durou a maior parte do mês de novembro.

Carol Cardoso é estudante de Arquitetura e Urbanismo e reside na cidade do Amapá, e refletiu a relação do apagão com as mudanças climáticas. “Eu não consigo deixar de pensar que a relação de distanciamento que nós temos do nosso sistema social com a natureza cria situações como essa, porque eu vejo que o que aconteceu no Amapá pode acontecer em qualquer lugar, mas que pela tendência de marginalização dos estados da região norte em relação ao resto do Brasil, acaba criando esse distanciamento de que ‘é muito longe da minha realidade, então eu não me importo tanto’ ou ‘o que acontece lá, nunca pode acontecer aqui’.”, criticou.

O youtuber Willian Chimura citou um estudo científico de 2020 que aborda relações de autistas com a percepção do clima e também comentou o hiperfoco que autistas podem ter com a temática das mudanças climáticas. Ele também lamentou os efeitos do apagão. “Olha que infeliz que a gente precisa esperar algum conflito maior, uma catástrofe acontecer ou partido A, o partido B que você não gosta falar, tomar alguma política, uma medida sobre algum desses estados que são marginalizados”, concluiu.

O episódio está disponível para audição em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.