Por

Redação da Revista Autismo

""

11º Prêmio Orgulho Autista 2016

12 de fevereiro de 2017

Tempo de Leitura: 2 minutosDesde 2005, em todos os anos, o Conselho Brasileiro do Prêmio Orgulho Autista escolhe através de votação de seus membros, os agraciados com essa homenagem. São pessoas que fizeram a diferença na vida das famílias de pessoas com autismo.

Parabéns aos grandes VENCEDORES do XI Prêmio Orgulho Autista 2016:

Capa do livro Especial Mente AzulI – Livro Destaque:
Autora: Viviani Guimarães – Especial Mente Azul – Editora Boquinhas – Macapá/Amapá

II – Escola Destaque:
Diretora Renata Dreux – Escola Especial Crescer- Piratininga Niterói/RJ

III – Professor Destaque
Professor Casemiro Mota – Instituto Federal Catarinense – Santa Catarina

IV – Médico Destaque
Clay Brites – Instituto NeuroSaber – Neurologista – Londrina/Paraná

V – Psicólogo Destaque
Emanuelle Vieira Leal – Psicóloga – Brasília

VI – Político Brasileiro Destaque
Carmen Zanotto – Deputada Federal – Lajes/SC

VII – Imprensa Rádio Destaque
Uiara Araújo – Radio Cidade do Aço – Volta Redonda/RJ

VIII – Imprensa Televisão Destaque
Fátima Bernardes – Programa Encontro – TV Globo – Rio de Janeiro/RJ

IX – Imprensa Escrita Revista Destaque
Jorge Caldeira – Revista da ANER – Atendimento odontológico aos autistas – São Paulo

X – Imprensa Escrita – Jornal Destaque
Clarissa Pains – Matéria: ”Não há nada de bonitinho no autismo” – Jornal “O Globo” 21/01/2017 – Rio de Janeiro/RJ

XI – Imprensa Fotografia Destaque
Rogério Araújo Pereira –Fotógrafo voluntário da exposição “Famílias de Autistas – Sob as lentes da alegria” – Distrito Federal

XII – Internet Destaque
Tatiana Takeda – http://ludovica.opopular.com.br/blogs/viva-a-diferença – Goiânia/GO

XIII – Pessoa e/ou Organização Não-Governamental Destaque
Lennon Custódio – Associação Servidores Câmara dos Deputados – Brasília

XIV – Pessoa e Órgão Público ou Empresa Privada Destaque
Antônio Francisco Neto – Prefeitura Municipal de Volta Redonda/RJ

XV – Atitude Destaque
Rocio Marin – Fundação Bocalan – São Paulo
Adestramento de cães para trabalhar com autistas

XVI – Voluntário Destaque
Lívia Magalhães – OAB/DF – Distrito Federal
Cartilha dos Direitos da Pessoa com Autismo/Comissão dos Direitos da Pessoa com Autismo

Serviço:
Como em todos os anos anteriores, a entrega será realizada em solenidade transmitida ao vivo para todo o Brasil, diretamente dos estúdios da Rádio Nacional, em Brasília. Neste ano, em 17 de fevereiro de 2017, véspera do Dia Internacional da Síndrome de Asperger, às 14h.

(MOVIMENTO ORGULHO AUTISTA BRASIL – MOAB)

Compartilhe

Comentários

Grupo Método

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

/
Por Fernando Cotta
O Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab) é uma organização não-governamental (ONG), sem finalidades lucrativas, formado por mães, pais, autistas, seus familiares e amigos interessados no tema, todos voluntários que trabalham incessantemente pela melhoria da qualidade de vida das pessoas autistas e de suas famílias.

Mediador escolar: quem tem direito?

/
Por Lucelmo Lacerda
Mediador ou tutor são alguns dos inúmeros nomes dados ao profissional que tem por função acompanhar estudantes com autismo na sua escolarização. Diz a Lei Federal 12.764 que: “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista [...] terá direito a acompanhante especializado”. Alguns compreendem que o papel deste acompanhante é o de cuidador. Se assim for, só têm direito estudantes que não consigam, sem auxílio, ir ao banheiro, comer, ou executar outras atividades de igual natureza.. Mas como o acompanhante deve ser “especializado”, vou pressupor aqui que seu papel seja apoiar também o ensino (isso pode ser feito em vários modelos, que não explorarei neste texto).
ABA e o ensino da fala — Celso Goyos — Revista Autismo

ABA e o ensino da fala

/
Por Celso Goyos
A fala antecede a aquisição da linguagem complexa e é uma das características mais marcantes que o ser humano apresenta, sendo, para muitos, o divisor de águas entre seres humanos e infra-humanos. Quando, após a idade de 18 meses, a criança não apresenta a fala, ou a apresenta, mas de forma menos desenvolvida do que outras crianças de mesma idade e de nível sócio-econômico-cultural semelhante, é motivo de grande preocupação para os pais. Se a ausência, ou atraso, da fala persiste após os 18 meses, e a criança não apresenta prejuízo na estrutura auditiva e na estrutura da fala, tampouco apresenta prejuízos neurológicos significativos que justifiquem a condição, esta criança pode estar sob suspeita do diagnóstico de autismo. Este diagnóstico pode se confirmar, ou não, a depender das outras características definidoras apresentadas na condição do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).