Por

Redação da Revista Autismo

Congresso gaúcho online ‘TchÊAdoro’ será dias 13 e 14.jun.2020

6 de junho de 2020TchÊAdoro, 1º Seminário Gaúcho sobre Autismo, on-line

Tempo de Leitura: < 1 minuto

Nos dias 13 e 14 de junho de 2020, acontece o congresso gaúcho sobre autismo “TchÊAdoro”. Serão dois dias de evento online com renomados palestrantes dos Brasil e Estados Unidos.

Publicidade
Academia do Autismo

O time de palestrantes tem Carlos Gadia, Graciela Pignatari, Alyson Muotri, Tatiana Takeda, Marla Nascimento, Nayara Barbalho, Paulo Liberalesso, Erin Lozott, Leila Bagaiolo, Claudia Romano Pacífico, Elyse Matos, Anita Brito, Tiago Toledo, Marlene Sotelo, Natalie Brito Araripe, Willian Chimura e Lucelmo Lacerda.

 

Organizado pela parceria entre Michela Caron – Aconselhamento e Orientação para Autismo, o movimento Capricha na Inclusão e o projeto Eyecontact, o 1º Seminário Gaúcho sobre Autismo, online, tem seu foco em informações baseadas em práticas com evidência científica.

“A realização do evento, no formato online, justifica-se como alternativa no contexto da pandemia que hoje nos atinge, uma vez que muitos eventos presenciais foram cancelados ou transferidos em todo o país! Assim, o Rio Grande do Sul sai à frente, com a iniciativa de oportunizar que a comunidade em geral do sul do país, e também do Brasil, tenha acesso à informações de credibilidade e baseadas em evidências científicas. Trata-se de um seminário internacional sobre autismo, acessível e com fim social”, destacaram os organizadores do evento.

As inscrições podem ser feitas online, em doity.com.br/tcheadoro, onde consta toda a programação dos dois dias de evento.

Compartilhe

Autismo x genética

Por Graciela Pignatari
Como a ciência explica hoje a ligação entre autismo e genética Graciela…

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.