Por

Sophia Mendonça

"Jornalista, escritora, apresentadora, cineasta, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de sete livros, mantém o site O Mundo Autista no Portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

18 de junho — Em debate, o dia do orgulho autista

18 de junho de 202118 de junho — Em debate, o dia do orgulho autista - Canal Autismo / Revista AutismoRevista Autismo

Tempo de Leitura: 4 minutos

por Selma Sueli Silva e Sophia Mendonça,
especial para a Revista Autismo e o Canal Autismo

Quando o autismo entrou na sua vida? Na maioria das vezes foi a partir de então que ele começou a existir para as pessoas. Entretanto, em 1906, o psiquiatra Plouller introduziu o termo em estudos da demência, em 1911 o termo “autismo” foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Eugen Bleuler e, em 1943, o autismo foi descrito pela primeira vez como um distúrbio, pelo médico Leo Kanner. 

O autismo aparece no DSM-I (sigla em inglês para a primeira versão do Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais), datado de 1952, como um sintoma da “Reação Esquizofrênica, tipo infantil”, categoria na qual são classificadas as reações psicóticas em crianças com manifestações autísticas (APA, 1952).

Mais tarde, em 1980, referindo-se a uma categoria diagnóstica, ou melhor, uma subcategoria dos Transtornos do Desenvolvimento, o autismo foi descrito como um transtorno do desenvolvimento e, dessa forma, incorporado ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-III, sendo adicionado à Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID), da Organização Mundial da Saúde, em 1993. Já a síndrome de Asperger foi identificada pela primeira vez, em 1944 e incorporada pela Associação Americana de Psiquiatria, em 1993.  Em 2013, a quinta edição do manual (DSM-5) criou a denominação Transtorno do Espectro Autista (TEA), que englobou a síndrome de Asperger e o autismo em um mesmo “guarda-chuva” de diagnósticos (o que acontecerá também com a nova versão da classificação de doenças, a CID-11, que passa a valer no início de 2022).

Portanto, é tudo muito novo, do ponto de vista da cronologia histórica. É preciso conhecer para entender melhor e acabar com o preconceito e o capacitismo. 

No ano passado, o Plenário do Senado brasileiro decidiu, por unanimidade, que o dia 18 de junho seria destinado à comemoração do Dia Nacional do Orgulho Autista, seguindo a mesma data do Dia Mundial do Orgulho Autista, criado em 2005, numa iniciativa do grupo britânico Aspies for Freedom

Bastou, então, um “cumpra-se” e o orgulho autista estava garantido para toda a sociedade? Não é bem assim. O enfrentamento a comportamentos e preconceitos estruturais precisam, sim, do respaldo da lei, mas garantir a transformação social positiva é mais que isso. É necessário ética.

Num país em que o conceito de ética anda desmoralizado e banalizado, é bom que retomemos sua essência. Ser ético é saber conviver, ter bom senso e respeito ao próximo, à diversidade. É entender que é dela – da diversidade humana – que nasce a criatividade e todas as possibilidades de evolução. Não há como aprender e, consequentemente, crescer se todos forem rigorosamente iguais,  como cópias de si mesmos.

Ter ética não é cercar-se de um conjunto de regras prontas, engessadas. A ética nasce do conflito que nos leva a questionamentos e descobertas, não do confronto que acirra pontos de vistas passionais e, em sua maioria, obtusos. Mais que nunca é necessário aprender e exercitar o diálogo, o debate. A ética nasce do debate, das reflexões que datas como o Dia do Orgulho Autista nos convidam a fazer. Precisamos debater sobre o novo, para construirmos o melhor caminho. A ética é, pois, a arte da convivência.

Neurodiversidade

O termo neurodiversidade foi criado em 1998 pela socióloga Judy Singer e junto ao jornalista Harvey Blume foram responsáveis por popularizar o conceito de variações naturais no cérebro humano de cada indivíduo em relação à sociabilidade, aprendizagem, atenção, humor e outras funções cognitivas.

Para a neurodiversidade não há um “normal” neurológico a que todos devam aspirar e corresponder, e sim variações tão múltiplas e complexas quanto os genes, ecossistemas e espécies existentes na natureza. Esse é um motivo de orgulho, não de vergonha ou sofrimento. Hoje, ativistas pela neurodiversidade vão além, e defendem que a neurodiversidade deve ser considerada uma categoria social tanto quanto etnia, gênero, classe socioeconômica etc. E mais: em um contexto profissional, pode ser compreendida como vantagem competitiva.

Um outro viés

Muitas famílias, no entanto, consideram que o movimento pela neurodiversidade ignora as pessoas que lutam com autismo severo. É uma discussão complexa, com argumentos válidos em ambos os lados. Nesta hora, precisamos ter acesso a informações confiáveis e utilizar o avanço tecnológico a nosso favor para fugir das tão nocivas fake news.  Estaremos, desse modo, preparados para um debate que considere todo o espectro. 

Uma pessoa pode ser autista mas, definitivamente, ela não é o autismo. É preciso entender que nem todos se comunicam da mesma forma para que haja a reivindicação de novas ferramentas de comunicação. Só assim, vamos defender a inclusão legítima de todas as formas humanas de ser e de se expressar. Exemplo disso é o pernambucano Pedro de Lucena, 22 anos, autista não oralizado que trilhou o seu próprio caminho e se tornou um escritor com o auxílio da comunicação alternativa.

Vozes do orgulho autista. Ou não.18 de junho - Dia do Orgulho Autista - Vozes do Orgulho Autistas. Ou não - Revista Autismo / Canal Autismo

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Estudo indica que ocitocina não tem eficiência para autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / iStock

Estudo indica que ocitocina não tem eficiência para autismo

/
Por Redação do Canal Autismo
Um estudo publicado no New England Journal of Medicine indica…
Spectrum 10K: estudo genético sobre autismo é interrompido no Reino Unido após polêmica — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Cambridge Independent

Spectrum 10K: estudo genético sobre autismo é interrompido no Reino Unido após polêmica

/
Por Tiago Abreu
O pesquisador Simon Baron-Cohen veio a público se desculpar…