30 de setembro de 2022

Tempo de Leitura: 2 minutos

Às vezes, dou umas pausas no ato de escrever, para tentar entender pensamentos que lutam por um espaço só deles, em minha cabeça. Para quem conhece sobre o TEA – Transtorno do Espectro do Autismo, já sabe como é. Eu tive uma crise ou colapso ou burnout. Mas para quem não conhece, geralmente, ficam os rótulos: ‘piti’ ou frescura ou crise nervosa. Para mim, ficou o sinal: “Pare antes de bugar geral.” Isso é autismo e grito pelo direito de ficar brava.

Mas ficar brava com o quê?

Quando sinalizo no autismo, pelo direito de ficar brava, é sinal de que algo me incomoda há muito tempo. Significa também, que eu já utilizei todas as estratégias sociais aprendidas, legitimadas e introjetadas por mim. Além disso, já apliquei todas as estratégias aprendidas em meus cursos dentro da Comunicação Social. E mais: já exercitei o caminho do meio ensinado pelo budismo que pratico que traz a sabedoria colhida dessa prática.

Publicidade
ExpoTEA

Mas ficar brava com o quê? Não, nem é “brabeza de verdade.” É o desejo de diálogo, de construção de pontes para o entendimento mútuo. O conflito é imprescindível para o crescimento e o avanço. As diferenças, para a criatividade que nos leva à uma construção que contemple o coletivo. Mas o confronto, bem…, o confronto desdenha o diálogo. Ele não pretende criar alternativa para que todos saiam ganhando. Não! Ao confronto, não interessa ‘CONvencer’ ou vencer junto. A ele só interessa VENCER.

Portanto, temo o confronto e fico muito brava quando me percebo diante dele.

No autismo o que vale mais: O direito de ficar brava ou o equilíbrio do caminho do meio?

Confesso que minha fase de ficar brava, muito brava, já passou. Hoje não. Aprendi a usar a energia dispendida pela ira, para alcançar o equilíbrio. À moda Gandhi, tento usar essa energia pacificamente. Não ‘ad eternum’. Não sou tão evoluída, ainda. Construo, no cotidiano, minha Revolução Humana, como meio de inspirar pessoas. Creio na paz e na felicidade absolutas. Isso mesmo. A paz e a felicidade que não se abalam com os fatores externos. A paz e a felicidade que estão em mim, apesar de todos os possíveis e inevitáveis pesares.

Assim, confesso que há em mim, não a ira de um estado de vida baixo. Mas há em mim, a brabeza herdada de meus antepassados. Honro o nome de minha amada e resiliente madrinha e avó. Não à toa seu nome é Glória. Ela não está mais aqui. Não sofro. Ela está comigo. Sempre esteve. E é a ela que reverencio quando exercito a certeza de saber que tudo passa. E, se agirmos com sabedoria, o melhor sempre estará por vir.

Autismo – pelo direito de ficar brava, mas sem perder a ternura. Jamais!

Não sou mulher trans. Tenho uma filha trans. Portanto, eu sou TransParente. No trocadilho e na acepção conotativa da palavra. Ou seja, eu sou aquela “que permite perceber com clareza a própria psicologia.”

E é como mãe, que ando aflita, tristonha até. Minha menina teve uma intercorrência em sua cirurgia. Uma porcentagem mínima de possibilidade. No entanto, aconteceu com minha garota. E eu, que acredito que a melhor equipe para a redesignação foi escolhida, hoje temo pela falta de acompanhamento mais constante e de perto. A clínica escolhida é de Blumenau. Nós somos de Belo Horizonte.

Escrevi aos responsáveis pela Clínica. Responsáveis também, pela excelência da expertise a qual eles se dedicam. Contudo, no meio desse caminho existe uma fístula. Existe uma fístula no meio desse caminho. Mas, agora eu pergunto: Ao poeta Carlos Drummond de Andrade foi dado o significado da pedra no meio do caminho?

Nunca li o desfecho à afirmativa do poeta. Contudo, confesso: ainda creio que vou ter o “approach” desses dois seres que são os responsáveis pela realização do sonho de minha menina.

COMPARTILHAR:

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Lei em Criciúma permite desembarque de pessoas com deficiência fora dos pontos de ônibus

‘A sociedade não está preparada pra gente’, diz Caio Bogos

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)