1 de junho de 2023

Tempo de Leitura: 3 minutos

Na sala de sua casa, na Vila Mariana, em São Paulo (SP), a engenheira naval Ana Maria Serrajordia Ros de Mello, numa tarde fresca, tipicamente paulistana, me contou diversos episódios envolvendo a história da Associação de Amigos do Autista (AMA-SP), a mais antiga instituição para atendimento de pessoas autistas na América Latina. Na conversa, falou desde os malabarismos econômicos para manter a instituição ativa e pagar o salário de todos os funcionários, até decisões grandiosas como criar seu próprio método de ensino e tratamento para autistas.

Sempre animada, Ana Maria faz parte do grupo fundador da AMA-SP (a maioria, mães de autistas, como ela). A entidade é precursora no Brasil nesse segmento e serviu de base, de inspiração e de apoio para a criação de muitas outras (com o nome “AMA” e com outros nomes) e também para a formação de diversos profissionais, muitos deles atualmente  tendo suas próprias clínicas em São Paulo, no interior e nas mais diversas regiões do país.

Publicidade
ExpoTEA

Nascida de um desejo profundo de proporcionar uma vida digna a seus filhos, diversos pais e mães de autistas começaram uma busca pessoal por soluções, o que se transformou em uma organização que impactou e impacta a vida de inúmeras famílias. Ao longo desses 40 anos, a instituição tornou-se referência no apoio ao autismo, oferecendo assistência multidisciplinar, orientação, terapias e atividades educacionais. Com uma equipe dedicada e comprometida, a AMA-SP luta por políticas públicas abrangentes, visando à inclusão e ao bem-estar de todos os indivíduos no espectro do autismo.

Metodologia própria

Hoje, com um total de quase 500 autistas em suas unidades, a AMA-SP não recebe mais matrículas ou pedidos individuais de atendimento. Quem encaminha essas pessoas e decide que serão atendidas pela instituição é o governo estadual, por meio da Secretaria da Saúde. Com uma metodologia própria chamada Seta — baseada em teorias, técnicas e abordagens com evidências científicas e 40 anos de experiência trabalhando com autistas dos mais diversos níveis de suporte — a instituição conta hoje com quatro unidades na capital paulista.

Ainda não há estudos a respeito do uso da metodologia Seta com autistas (fica a dica para os pesquisadores de plantão!), mas a coordenadora geral da instituição, Franciny Mancini, garante que os resultados são muito positivos com o público atendido pela AMA-SP e que um estudo sobre a metodologia seria muito interessante.

Podcast Espectros

Nós da Revista Autismo lançaremos, em agosto, no mês de aniversário da AMA, um episódio do podcast Espectros com uma entrevista com Ana Maria, com muitos detalhes sobre a história da AMA. No podcast — que já foi gravado —, ela compartilha sua jornada pessoal e os desafios enfrentados no apoio a pessoas com autismo. Ana destaca a importância de uma rede de suporte, a luta por inclusão e os serviços oferecidos pela associação. 

Ressalta ainda a necessidade de políticas públicas abrangentes para o autismo, além da valorização das diferentes facetas desse transtorno e deu detalhes tantodo trabalho árduo para tratar problemas de comportamento quanto da falta de acompanhamento governamental adequado. Seu desejo é que a AMA continue crescendo e que o autismo seja parte de uma política pública integrada. No episódio, Ana enfatiza a importância da doação automática da Nota Fiscal Paulista (tem um tutorial no site da ama.org.br e um link na versão online desta reportagem) como uma maneira simples de contribuir com a associação. No final, Ana Maria incentiva as pessoas a se unirem à causa para promover um futuro melhor para pessoas no espectro do autismo e suas famílias.

Aliás, em breve essa história poderá ser lida num livro sobre a AMA-SP que Ana Maria Mello está escrevendo e pretende publicar em breve.

 

CONTEÚDO EXTRA

 

Ana Maria Mello fala sobre história da AMA, sucessos e desafios no podcast 'Espectros' — Canal Autismo / Revista Autismo

Ana Maria Mello fala sobre os 40 anos da AMA, sucessos e desafios no podcast Espectros.

 

Marisa Furia fala sobre maternidade, políticas públicas e envelhecimento no podcast 'Espectros' — Canal Autismo / Revista Autismo

Marisa Furia fala sobre maternidade, políticas públicas e envelhecimento no podcast Espectros.

 

[Atualizado em 08.abr.2024, 09h14 com conteúdo extra]

COMPARTILHAR:

Editor-chefe da Revista Autismo, jornalista, empreendedor.

A inclusão escolar pede socorro

Autismo(s)

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)