Sophia Mendonça

Por

Sophia Mendonça

"Jornalista, escritora, apresentadora, cineasta, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de sete livros, mantém o site O Mundo Autista no Portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Vacinação para Covid-19 de autistas adultos

26 de maio de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosHoje foi dia de eu e minha mãe, Selma Sueli Silva, recebermos a primeira dose da vacina contra a Covid-19, por sermos pessoas com deficiência permanente (no caso, o Transtorno do Espectro do Autismo, TEA). Ficamos muito felizes por sermos vacinadas, já que o nosso quadro de saúde apresenta peculiaridades em função do tratamento medicamentoso e de questões sensoriais e motoras, dentre outras. Foi um alívio perceber uma luz no fim do túnel, o começo de uma nova esperança. 

Minha mãe estava muito nervosa para ir ao posto de vacinação, já que ela tem muita dificuldade de locomoção a locais que não conhece, principalmente se forem barulhentos ou repletos de outros estímulos sensoriais. Para aumentar a tensão, aqui em Belo Horizonte alguns postos já vacinam autistas e pessoas com outras deficiências permanentes, mas isso ainda não ocorre em todos os pontos de referência da cidade. Portanto, aqui, é preciso primeiro ligar ao local onde ocorre a aplicação da vacina para apurar se esse público já está sendo atendido.

Ficamos na fila da triagem por um bom tempo até sermos atendidas. Eu estava com meu lado de Transtorno do Espectro Autista e minha mãe, com dois relatórios, um atestado de Síndrome de Asperger e o outro também de TEA, todos os três com o mesmo CID F84.5. Apesar do código indicar a mesma condição de saúde, só foram aceitos os laudos que mencionam explicitamente o Transtorno do Espectro Autista.  Felizmente, pudemos vacinar.

Uma moça muito simpática nos recebeu para aplicar a dose da Pfizer. Minha mãe, a essa altura, já estava muito desconstruída, o que é comum acontecer em lugares públicos, e eu estava mais calma. Ainda assim, a profissional de saúde conversou muito mais comigo, foi mais cuidadosa e atenciosa até, o que me leva à hipótese de que quanto mais velha é a pessoa, mais ela se torna invisível socialmente como autista. Contudo, foi recompensador perceber que formamos uma boa dupla e que uma pode compensar as dificuldades da outra. 

Compartilhe

Comentários

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Entre dois armários - Autistas LGBTQIA+ - Canal Autismo / Revista AutismoRevista Autismo

Entre dois armários

/
Tiago Abreu Por Tiago Abreu
Autistas LGBTQIA+ contam experiências com sexualidade, identidade…

Orgulho Autista

/
Selma Sueli Silva Por Selma Sueli Silva
A memória ainda está nítida em mim. O psicólogo me olha firme…