Por

Gabriela Bandeira

Jornalista e gerente de assinatura da Academia do Autismo

Escola ideal para autistas existe?

13 de agosto de 2021Escola ideal para autistas existe? - Canal Autismo / Revista AutismoAcademia do Autismo

Tempo de Leitura: 2 minutosAvaliamos 5 pontos essenciais para que o aluno com autismo possa ter a melhor experiência no ambiente escolar

A escola é um ambiente essencial para qualquer aluno se desenvolver. No caso daqueles que estão no espectro do autismo, esse local é essencial para adquirir habilidades, interagir socialmente e também aprender o conteúdo didático. 

Academia do Autismo

No entanto, uma escola ideal para pessoas com autismo precisa de algumas adaptações para fazer com que esse momento seja produtivo e eficaz para a pessoa no TEA. Nesse artigo, separamos quatro tópicos essenciais que tornam a escola um excelente ambiente para autistas. Veja a seguir: 

Adaptar materiais escolares e conteúdos

Todo mundo tem a capacidade de aprender, inclusive quem está no espectro do autismo. No entanto, nesses casos o aprendizado acontece de uma forma diferente e, por isso, é preciso que os materiais e conteúdos didáticos sejam adaptados de acordo com a necessidade do aluno. 

Normalmente, essa adaptação de materiais é feita por um profissional capacitado e que acompanha o aluno em cada uma das etapas de aprendizado. Ele também vem a seguir, pois sua presença é essencial para pessoas com autismo na escola.

Ter um professor de educação inclusiva especialista em TEA

Além do professor, alguns alunos com autismo podem precisar também do apoio de um professor de educação inclusiva que o acompanha na sala de aula. Esse profissional deve ser especialista em TEA e ter conhecimento do histórico escolar e das dificuldades do aluno, pois só assim será possível auxiliá-lo no aprendizado. 

O professor de educação inclusiva também é responsável pela criação do PEI, um importante instrumento de avaliação do aluno no TEA que explicamos a seguir. 

Ter um Plano Educacional Individualizado do aluno

Conforme explicado anteriormente, o Plano Educacional Individualizado (ou PEI) do aluno é feito pelo professor de educação inclusiva, junto a outros profissionais da pedagogia e até a família do aluno, se for preciso. 

A ideia desse documento é entender o repertório do aluno, suas dificuldades e, assim, criar um instrumento que proponha o planejamento e acompanhamento do aluno durante o ano letivo. 

Entender e respeitar a diferente forma de pensar e agir do aluno com autismo 

Muitas vezes, pessoas com autismo relatam a dificuldade em conseguir focar em um tópico por muito tempo. Por isso, pode ser preciso que o aluno saia da sala de aula para descansar um pouco a mente e, em seguida, retornar quando se sentir melhor. 

Em alguns casos, o ambiente escolar pode incluir, também, uma sala sensorial. Este local é protegido e com riscos controlados que vão ajudar na regulação emocional e deixar o aluno mais confortável em retornar à aula. 

Promover a inclusão do aluno com autismo nas atividades extracurriculares

Além de ser um ambiente de aprendizado, a escola é também um dos principais locais no qual o autista terá a oportunidade de socializar com pessoas da mesma idade e transpor algumas barreira da interação social. 

Por esse motivo, é essencial que a escola esteja disposta a incluir o estudante no espectro nas atividade extracurriculares, ou seja, festas fora do turno da aula, atividades como apresentações de dança, tarefas em grupos etc. 

(Academia do Autismo)

Compartilhe

Comentários

Nova versão da Caderneta da Criança tem instruções sobre o autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Ministério da Saúde

Nova versão da Caderneta da Criança tem instruções sobre o autismo

/
Por Redação do Canal Autismo
A terceira edição da Caderneta da Criança, que será enviada…
Estudo revela aumento de pesquisas sobre autismo em idosos — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Governo de São Paulo

Estudo revela aumento de pesquisas sobre autismo em idosos

/
Por Redação do Canal Autismo
Um estudo investigou a frequência de pesquisas sobre autismo…