1 de março de 2022

Tempo de Leitura: 2 minutos

Somos seres sociais, essa pandemia só veio confirmar isso.  Sendo assim, é bom fazer parte, ser semelhante. Por isso, quando temos um filho com deficiência, a questão do diferente se coloca de forma intensa. No início, quando o Pedro era pequeno, seu comportamento era o de uma criança linda e muito levada, não se destacava. À medida que foi crescendo, a coisa mudou radicalmente. Nos anos 90, não era comum ver pessoas com filhos com deficiências na rua, em lojas, cinemas e outros lugares públicos, parecia até que eles não existiam. Com exceção dos deficientes visuais e das pessoas com síndrome de Down. De modo que era muito frequente nós chamarmos a atenção das pessoas, pelo inusitado. Isso me incomodava sobremaneira. E esse incômodo virava raiva com muita rapidez. Raiva das pessoas curiosas, raiva de mim, raiva do mundo. Era uma cascata, meu comportamento agressivo atingia o Pedro em cheio, ele percebia ser o motivo de tudo. Aí eu ficava ainda mais furiosa. Muita discussão eu tive com perfeitos desconhecidos. O que mais me intrigava e chateava é que, subjacente à raiva, havia uma certa vergonha… De quê? Por ter um filho tão diferente? Nunca entendi direito. Acontece que as coisas eram assim. 

Com o tempo, eu percebi que tentar esclarecer as pessoas seria melhor. Fiz panfletos, que distribuía nos hotéis em que íamos, nos restaurantes que frequentávamos, no clube, na piscina. Ajudou bastante. Eu me tornei um outdoor ambulante, tinha incontáveis camisetas com textos curtos sobre autismo. Eram meu uniforme. Essas iniciativas também ajudaram muito. E foi então que percebi que as pessoas, via de regra, querem ser amigáveis, interessadas, mas não sabem bem como. Mas, a vergonha estava lá,  até que percebi, um dia, que ela já não estava comigo! 

Publicidade
Grupo Método

Como? O que mudou? Eu mudei. 

Percebi que agora eu e Pedro nos aceitamos como iguais. Onde quer que nós possamos ir, somos iguais, ainda que diferentes. Para mim é natural que o Pedro tenha comportamentos próprios, esse é ele, e tudo bem, realmente, tu-do-bem!! E me sentindo assim e agindo assim, para as pessoas que nos encontram fica fácil aceitar que as coisas são assim, e que o Pedro é um cara super legal. 

Há muitos anos ouvi de uma mãe que a sua meta era treinar o filho para que ele “não parecesse” autista! Quanta dor, quanto desespero nessa mulher! 

Meu filho é autista, com tudo o que isso pode significar. Eu não sou, com tudo o que isso possa significar. Não tem que parecer normal, o normal é o autismo dele. 

Somos iguais, cidadãos, com sentimentos e vontades e direitos. Somos dois seres humanos.

COMPARTILHAR:

É casada e mãe de dois filhos, sendo o mais moço autista severo. Formou-se em odontologia, exerceu a profissão até 2006, quando decidiu dedicar-se integralmente ao filho.

Perfeição falsa

Evento recreativo recebe crianças autistas em João Pessoa

Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)