Por

Selma Sueli Silva

"Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois" e "Camaleônicos", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista"."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Ser autista é complicado. Ser autista pobre é muito mais

8 de outubro de 2021Ser autista é complicado. Ser autista pobre é muito mais — Canal Autismo / Revista Autismo

Tempo de Leitura: 2 minutosCinco anos do meu diagnóstico em autismo e 13 do diagnóstico de minha filha. Agora, é possível afirmar que ser autista é complicado. E ser autista pobre é muito mais.

O autismo não tem cura. Ou seja, o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), não é doença. No entanto, é para a vida toda. Além disso, o autismo acarreta condições coexistentes.

Por exemplo: Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), Transtorno da Ansiedade Generalizada (TAG). Além de Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), Transtorno do Humor, alterações sensório motoras, entre outros. Contudo, há tratamentos e estímulos que proporcionam qualidade de vida à pessoa autista.

O que é deficiência?

O TEA apresenta 3 graus: leve, moderado e severo. Em outras palavras, o autista estará em uma dessas classificações conforme a necessidade de suporte necessário ao desempenho das atividades na vida diária. De acordo com a Lei Brasileira de Inclusão 13.146/2015, em seu artigo 2º:

Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

Assim, a existência de barreiras existentes na sociedade é o que determina a existência de uma deficiência. Isso, devido às características de determinadas pessoas.

Ser autista pobre, um grande desafio

Embora tenhamos uma das melhores leis de inclusão do mundo, o preconceito estrutural dificulta, e muito, a eliminação dessas barreiras. Além disso, a ineficiência ou até inexistência de políticas públicas trazem grande gargalo à sobrevivência das pessoas com deficiência (PCDs). Aliás, até mesmo ao seu desenvolvimento e qualidade de vida.

Assim, temos, ainda, a invisibilidade do sofrimento das famílias de PCDs. Elas não são contempladas, também, por políticas públicas adequadas. Certamente, por tudo isso, perdemos valores que poderiam contribuir ao crescimento socioeconômico do país.

Ser autista é complicado. Mas ser autista pobre é muito mais.

Dessa forma, para aqueles que acreditam que não devem pagar pela “tragédia” que abate sobre determinadas famílias, lembramos que:

A diversidade é responsável pela criatividade humana. Não saímos de nossa zona de conforto para ousar e criar, se não há diferenças a entender. Aliás, mais que entender, se não houver diferenças a agregar conhecimento. Ou seja, a diferença amplia perspectivas.

A presença do coronavírus como pandemia provou que o micro pode afetar o macro. Desse modo, não há como subestimar a força do individual. Ela pode alterar todo o coletivo. Entretanto, se positiva ou negativamente, a escolha é nossa.

Não existe crescimento/desenvolvimento na previsibilidade. Assim, a diferença e diversidade convidam à ação produtiva.

Por fim: Ignorar a necessidade de políticas públicas eficazes e o efeito da elitização dos tratamentos aos autistas compromete a viabilidade de um futuro digno, equânime, igualitário e humanizado.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Autismo e outros transtornos do espectro autista

Por Redação da Revista Autismo
O Autismo Infantil foi descrito inicialmente por Kanner em 1943…

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por esta razão o tratamento deve ser contínuo e envolver uma equipe multidisciplinar (Schwartzman, 2003). A eficácia de um tratamento depende da experiência e do conhecimento dos profissionais sobre o autismo e, principalmente, de sua habilidade de trabalhar em equipe e com a família (Bosa, 2006).