Por

Selma Sueli Silva

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Facebook de Selma Sueli SilvaTwitter de Selma Sueli SilvaInstagram de Selma Sueli SilvaCanal no Youtube de Selma Sueli Silva

Por que o autista transforma aprendizado em regras?

25 de fevereiro de 2022

Tempo de Leitura: 2 minutosPor que o autista transforma aprendizado em regras? Vamos entender esse ‘fascinante mundo do autismo’. Um mundo de muito aprendizado, sofrimento e vitórias. Uma das primeiras lições aprendidas foi que:

Na contramão do que acontece quando você constrói uma casa, em que a obra leva meses para ficar pronta, o autista toma para si tudo que vê e observa. Na hora. E, dessa forma, imediatamente, transforma aquilo em regra.

Academia do Autismo

Por exemplo, “todas às vezes que vamos à casa de minha avó, passamos por essas ruas.” Então, ao mudar o caminho, você desorganiza uma regra criada por seu filho. Isso significa que nunca mais vocês vão poder fazer outro caminho? Não. Isso quer dizer que a desconstrução de uma regra leva mais tempo.

Dessa forma, precisamos estar atentos com essa construção de regras. Elas podem, inclusive, se consolidar como crenças limitantes para os autistas. O que vai, certamente, comprometer o seu futuro. Mas por que o cérebro neurodivergente tenta criar regras para tudo? Para que o mundo e a vida se tornem mais previsíveis para ele. E, também, mais confortável.

Funções executivas

As funções executivas são um conjunto de processos comportamentais complexos. Esse conjunto é que permite que a pessoa seja independente e autônoma. Elas estão ligadas a processos volitivos. Esses processos nos permitem expressar nossa vontade. Em outras palavras, eles são cognitivos. Ou seja, dependem de nossa capacidade para adquirir conhecimento e desenvolver emoções. Tudo isso, com base no raciocínio, linguagem e memória.

Os processos volitivos podem ser aplicados conscientemente ou podem ser automatizados. Ou seja, pode, se transformar em hábitos, com o tempo. É o que acontece com os autistas. Os processos volitivos também são ligados à capacidade da pessoa de estabelecer metas. Certamente, com base na motivação e na consciência de si mesmo e do ambiente.

Além disso, eles envolvem processos emocionais e motivacionais. Ou seja, como uma ação intencional para um objetivo planejado. Em outras palavras, uma ação produtiva baseada na capacidade de iniciar, manter, modificar ou interromper um conjunto complexo de ações. E, também, de atitudes organizadas e integradas.

As funções executivas começam a se desenvolver nos primeiros anos de vida. E terminam o processo de maturação no final da adolescência. Elas são responsáveis ​​pelo processo cognitivo que inclui o planejamento e execução de atividades como controle de impulsos, iniciação de tarefas, memória de trabalho, cuidados, entre outros.

Em suma, o desenvolvimento das funções executivas durante a infância, aos poucos, proporciona adequação e melhor desempenho para a iniciar, manter e finalizar tarefas.

O autista transforma aprendizado em regras e sistematiza o mundo ao seu redor

No Transtorno do Espectro Autista – TEA a pessoa que possui disfunção executiva pode apresentar:

  • Autocrítica diminuída, falta de preocupação com o futuro
  • Indiferença afetiva, apatia
  • Senso crítico diminuído ou ausente
  • Irritabilidade, desinibição, impulsividade
  • Baixa flexibilidade e rigidez de comportamento

Além disso, apresentam, também, em muitos casos, a perseveração e euforia. Essa perseveração é a repetição contínua e persistente na exposição de uma opinião, ou ideia. A medicina define como aquele processo contínuo de uma atividade. Após, certamente, à finalização de um estímulo. Ou seja, é a insistência no mesmo estado de espírito.

Percebem como tudo isso é mais desafiador para os autistas? Mas, que fique claro. Nada é impossível. Afinal, para o autista, tudo isso, pode ocorrer. De forma diferente, mas ocorre.

Compartilhe

Comentários

Neurodiversidade na IBM Brasil — Canal Autismo / Revista Autismo

Neurodiversidade na IBM Brasil

/
Por Selma Sueli Silva
No dia 12 de abril deste ano, a IBM Brasil realizou o evento…
Rio Branco, no Acre, terá semana de conscientização sobre o autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / G1

Rio Branco, no Acre, terá semana de conscientização sobre o autismo

/
Por Redação do Canal Autismo
Tião Bocalom, prefeito de Rio Branco, no Acre, sancionou a lei…
Adolescente autista lança primeiro livro — Canal Autismo / Revista Autismo

Adolescente autista lança primeiro livro

/
Por Redação do Canal Autismo
Pedro Henrique, de 17 anos, está iniciando sua trajetória como…