Por

Selma Sueli Silva

"Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois" e "Camaleônicos", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista"."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Orgulho Autista

18 de junho de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosA memória ainda está nítida em mim. O psicólogo me olha firme e diz: “Sua filha será dependente o resto da vida.” Estranhei o prognóstico. Como alguém pode saber de uma vida que ainda não se disse ao mundo? Como determinar, pelo conhecimento presente, todo um percurso?

Voltei para casa ciente de que minha menina não era melhor que ninguém. Mas também não era pior. Então, tratei de estudar, estudar muito sobre o assunto. Não parei de trabalhar e meu trabalho exigia viagens esporádicas. Não foi fácil. Absolutamente. Mas era minha vida, com suas especificidades. Nem melhor nem pior que a vida de ninguém. Apenas diferente.

É verdade que eu sentia um cansaço enorme, que já quis fechar os olhos, eu e minha menina, e não mais abrir. Mas não sou mulher de abandonar um desafio e nem a minha fé. Fé, inclusive, no ser humano. Debrucei um olhar atento à adolescente que ali surgia. Nunca soube onde terminava o autismo e começava a adolescência. E vice-versa. Foi um período tão complicado quanto foi a minha própria experiência. Eu sabia do sofrimento daquela fase, acontecera comigo também. Nunca soube descrever. Por isso, redobrava a minha paciência, embora por vezes, tenha entrado em crise.

Hoje sei que também sou autista. Olho para trás e suspiro. Um suspiro longo de quem passou por muita coisas que não entendeu mas que procurou estratégias para se adequar. Isso é muito doído. Eu fui, cada vez mais, introjetando minha essência e me tornando a pessoa que esperavam que eu fosse, para que pudessem se sentir confortáveis.

As pessoas querem que você seja de um jeito que as incomode o mínimo possível e elas não se preocupam se para isso você está mais que incomodada – você está adoecendo. Há quase uma década, ouço de muita gente que “a sociedade está adoecida.” Será que ninguém percebe que a sociedade é formada por pessoas e se essa sociedade não se preocupa com um indivíduo que “está adoecendo”, quer seja pela rejeição, pelas relações predatórias, pelas cobranças ou seja lá o que for, seremos um somatório de pessoas adoecidas e que esse somatório resulta pois, na própria sociedade?

Desde que o mundo é mundo, cabe ao ser humano construir os avanços sociais e econômicos e lidar com os efeitos fáceis ou complicados que advierem disso. Sabemos que o surgimento dos hospitais foi um grande avanço para todos. Mas eles também trouxeram a infecção hospitalar e a super bactéria. Portanto, o melhor que se tem a fazer é reconhecer que a diversidade humana é fonte de criatividade para construir uma sociedade mais inclusiva, humanizada, digna, harmoniosa e democrática. Nada mais, nada menos!

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Estudo indica que ocitocina não tem eficiência para autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / iStock

Estudo indica que ocitocina não tem eficiência para autismo

/
Por Redação do Canal Autismo
Um estudo publicado no New England Journal of Medicine indica…
Spectrum 10K: estudo genético sobre autismo é interrompido no Reino Unido após polêmica — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Cambridge Independent

Spectrum 10K: estudo genético sobre autismo é interrompido no Reino Unido após polêmica

/
Por Tiago Abreu
O pesquisador Simon Baron-Cohen veio a público se desculpar…