Por

Selma Sueli Silva

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Facebook de Selma Sueli SilvaTwitter de Selma Sueli SilvaInstagram de Selma Sueli SilvaCanal no Youtube de Selma Sueli Silva

Ativista no autismo, “ser ou não ser…”

28 de janeiro de 2022Ativista no autismo, “ser ou não ser…”

Tempo de Leitura: < 1 minutoAtivista no Autismo, “ser ou não ser, eis a questão.” A realidade é que eu não escolhi ser. Mas sou. Afinal, sou defensora da inclusão social de pessoas com deficiência – PCDs. E autista é PCD. Assim, me tornei membro de um agrupamento de pessoas que lutam por essa causa. Mesmo sem assinar documentos para validar o ativismo. Ser ativista nos permite essa liberdade.

Quanto a ser militante… bem, penso não ter perfil para tanto. Tudo bem que na militância a pessoa também defende uma causa. Entretanto, a ação tende a valorizar disciplina, centralização e a ausência de autonomia. Enquanto, no ativismo há o incentivo à experimentação, horizontalidade e autonomia.

Academia do Autismo

Ativismo humanista

Humanismo é uma missão social na qual o princípio é garantir o bem-estar dos seres humanos e da condição humana. É nisso que eu acredito. Assim, o palco de meu ativismo são as redes sociais e o ambiente virtual. Dessa forma, o ativismo nas redes sociais executa ações online, realizadas para difundir ideias e causas, obter suporte e organizar atos presenciais, como as manifestações. Claro, se for o caso!

Ativista no Autismo, “ser ou não ser…”

As pessoas com deficiência precisam mostrar a sua cara à sociedade. O ativismo nas redes sociais facilita e amplia a visibilidade e o apoio a diversas causas. Enquanto as pautas gerais contribuem para melhorar a qualidade de vida de grandes grupos, as pautas locais fazem a diferença na vida de cidadãos.

Portanto, desmistifica a ideia de que a vida da PCD é uma vida de menor valor. As pessoas são diferentes e é necessário entender essas diferenças para que possamos construir uma sociedade mais democrática, igualitária, equânime, justa e inclusiva. Ou seja, mais humanizada, em que a sociedade não classifique a vida humana e não permita assim, que ninguém fique para trás.

O que ergue barreiras entre nós é a atitude de permanecer ignorante em relação aos outros. Por isso, o diálogo é decisivo. Tudo começa com o diálogo. (Daisaku Ikeda – filósofo humanista)

 

Compartilhe

Comentários

Homeschooling: quem se beneficia com isso? — Canal Autismo / Revista Autismo

Homeschooling: quem se beneficia com isso?

/
Por Paula Ayub
Homeschooling: quem se beneficia com essa prática educacional? Segundo…
Fatima de Kwant aborda diferenças culturais, jornalismo e vida no exterior no podcast 'Espectros' — Canal Autismo / Revista Autismo