Arquivo para Tag: ebook

Adolescente autista lança primeiro livro — Canal Autismo / Revista Autismo

Adolescente autista lança primeiro livro

Tempo de Leitura: < 1 minutoPedro Henrique, de 17 anos, está iniciando sua trajetória como escritor. Diagnosticado com autismo na infância e atualmente no ensino médio, apresenta o ebook DPA do Pedro – O dia que conheci meu ídolo. A obra traz relatos de sua participação no evento D.P.A. – Detetives do Prédio Azul, do programa exibido pela Gloob. Lá, ele conheceu o ator responsável por um de seus personagens favoritos, o porteiro Severino.

De acordo com informações divulgadas pelo O Mundo Autista, a obra foi lançada em 12 de maio e está disponível para compra online a partir do Instagram de Rejane, mãe de Pedro.

CONTEÚDO EXTRA

Link para comprar o livro: https://p.eduzz.com/1420040

Sophia Mendonça e Selma Sueli Silva lançam o livro Diversos diálogos: Autismo(s), meios e mediações

Tempo de Leitura: < 1 minutoAs jornalistas Sophia Mendonça e Selma Sueli Silva lançam o livro Diversos diálogos: Autismo(s), meios e mediações, pelo selo do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Segundo as autoras, o livro traz informações sobre o autismo a partir das suas experiências. “Este livro traz as diferenças do que é ser um bebê com dificuldades relacionadas ao autismo — quais são os desafios durante o crescimento, os entraves relacionados à comunicação, ao comportamento e à interação social —, mostrando que o autismo é um espectro, pois cada pessoa manifesta as características de uma forma diferente da outra”, afirmaram.

O livro pode ser baixado gratuitamente no site do PPGCOM da UFMG.

CONTEÚDO EXTRA

Link para baixar o livro: https://seloppgcom.fafich.ufmg.br/novo/wp-content/uploads/2022/03/Diversos-Dialogos-Selo-PPGCOM-UFMG.pdf

Família vende ebook para custear viagem de autista para feira de ciências em Porto Rico

Tempo de Leitura: < 1 minuto

Victor Teles Costa é autista, tem 14 anos e mora em Macapá. Ele ficou em primeiro lugar na Feira de Ciências e Engenharia do Amapá – FECEAP 2021 na categoria de engenharia e, por isso, foi credenciado para participar da Feira Internacional de Ciência e Engenharia de Porto Rico – FICEP 2022. No entanto, para cobrir os custos da viagem, a família tem vendido o livro “Sentimentos Cotidianos”.

O livro está disponível para compra na Hotmart ou pelo WhatsApp de sua mãe, cujo número é: (96) 99133-1951.

CONTEÚDO EXTRA

Link para a compra do livro: https://www.hotmart.com/product/sentimentos-cotidianos-vivendo-o-autismo-poemas-de-uma-mae-atipica/D68377744K

Trecho sobre vida escolar do e-book gratuito TEAcolher, de Fátima de Kwant

Tempo de Leitura: 5 minutos

Por ONDA-Autismo

Sobre a vida escolar

Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes. 

(Paulo Freire)

 

Quais dicas de como escolher uma escola? 

⁃ Sobre opções educacionais: Regular sempre que possível; Especial, se necessário, porém, com a intenção de voltar para a escola regular quando possível;

⁃ Sobre objetivos educacionais de acordo com a cognição que o autista apresenta no momento (não o que ele DEVE aprender, mas, o que ele PODE aprender nessa fase em que se encontra);

⁃ A importância do PEI (Planejamento Educacional Individual). Solicitar o PEI e demais adaptações escolares;

⁃ A importância do diálogo da família com a escola em benefício da criança.

Qual escola é melhor para meu(minha) filho(a)? O melhor tipo de escola é aquele em que seu filho aprenderá. A inclusão é para todos e seu (sua) filho (a) tem direito de estar na escola que você eleger. Pense no que é melhor para ele (ela), no momento. Se a inclusão na escola regular estiver difícil, ou você achar que seu (sua) filho (a) sofre, pode ser que ele (ela) se beneficie da Educação Especializada, temporariamente, até conseguir acompanhar o ensino regular.

Peça ajuda para os profissionais que o (a) acompanham e, caso decidam pela educação especial, solicite que façam um laudo justificando a necessidade de uma escola especial, isso vai ajudar muito na solicitação dessa vaga junto à Secretaria de Educação da sua cidade.

A decisão sempre cabe aos pais, em benefício da criança.

Como informar à escola sobre o TEA? A opção em revelar o autismo de seu filho é individual. A vantagem de informar sobre o autismo é que a escola estará advertida e poderá cooperar quando houver dificuldades de a criança acompanhar o ritmo dos colegas. Quando a escola tem ciência sobre o autismo do aluno, ele terá direito a uma avaliação diferenciada, de acordo com a capacidades e desenvolvimento individual. 

Os pais podem pedir aos professores e à direção que não revelem aos colegas e a outros pais que seu filho é autista.

A desvantagem de não informar sobre o autismo do seu filho é que ele não poderá usufruir de direitos, como professor (a) auxiliar, provas adaptadas, material alternativo, entre outros.

Como explicar o autismo para outras crianças? É muito importante explicar o autismo para todas as crianças de forma descomplicada, especialmente aquelas que convivem com um autista. Elas precisam compreender que o (a) colega com autismo tem um jeito diferente de se comunicar, de se relacionar, de brincar, de superar seus desafios, e que todos nós somos diferentes e temos algo a aprender e a ensinar. 

O que faz o professor auxiliar? O professor auxiliar é um direito das pessoas com autismo que necessitarem desse profissional. Ele é chamado para assistir a criança autista na sala de aula regular, sempre que for necessário compreender o material apresentado pela professora, as tarefas, as atividades a serem feitas e nas interações sociais com outras crianças. É muito importante entender que, de acordo com a Lei 12.764/12, esse profissional deve ser especializado, isto é, deve entender de autismo. 

Uma grande lacuna da lei é não dizer qual o tipo de especialização que esse profissional precisa ter. Normalmente são estagiários de pedagogia, psicologia, fonoaudiologia.

 

O que faz o assistente terapêutico (AT)? É o que aplica a terapia na criança sob supervisão do terapeuta responsável, normalmente um psicólogo, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional ou analista do comportamento. 

Esse profissional pode ser um estagiário em psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, fisioterapia, enfermagem ou mesmo pessoas que já tenham passado por algum tipo de treinamento.

O que faz o cuidador?  É aquele que acompanha a criança e a auxilia nas atividades de vida diária – AVD: como se alimentar, trocar de roupa, fazer higiene pessoal, ir ao banheiro, etc. Esse profissional não precisa ter especialização em autismo, mas é importante que tenha experiência no cuidado com crianças. 

O que é Ensino Estruturado?[1] O uso dele possibilita desenvolver nos alunos a organização do pensamento e assim passar de forma bem clara os conceitos relativos aos que desejamos ensinar. A utilização de pistas visuais deixa bem claro aos alunos o que devem fazer, como devem fazer, quando começam e quando terminam a atividade.  Há alteração e melhora nos comportamentos inadequados; melhor dizendo, acontece a diminuição da frequência deles até sua possível extinção. A generalização do conteúdo é favorecida nos ambientes estruturados e com atividades nesse mesmo viés, em que o objetivo maior de qualquer professor, que é a aprendizagem, se torna mais facilitado.

  

Quais as vantagens do Ensino Estruturado? [2] Ele oferece autonomia. Isso se dá porque ele antecipa o que acontecerá, aumenta a compreensão do aluno sobre o ambiente ao seu redor e do que se espera dele, melhora a aprendizagem, organiza a realização das tarefas e melhora problemas comportamentais. Além do que já foi citado, podemos ver seus efeitos benéficos em relação à promoção da inclusão, de melhorar as habilidades sociais, tanto quanto aumentar a comunicação, a atenção, a motivação, etc.  

Um (a) aluno (a) com autismo deve ser avaliado de acordo com suas próprias potencialidades? Esse é um ponto muito delicado e individual. Para alguns, revisar a prova antes de receber para verificar se o enunciado foi entendido será suficiente; para outros, será preciso dicas visuais, ilustrações; outros precisarão de provas em local separado da turma; para outros, a prova oral será o ideal; enquanto outros somente trabalharão com um assunto parecido, mas de uma forma menos complexa. 

Cada pessoa com autismo tem direito à avalição e à nota em boletim, e suas potencialidades sempre serão avaliadas de acordo com o seu próprio desenvolvimento.

Como sabemos se é necessário ter material adaptado? Esse é mais um ponto extremamente individual. Muitas pessoas com autismo precisam ter materiais adaptados. Quem faz isso são laudos médicos e de profissionais como psicólogo (a) e fonoaudiólogo (a), pois ajudam a deixar claro sobre as necessidades específicas do aluno.  

 

Quem é o (a) responsável pela elaboração do material adaptado? A escola! Sem qualquer custo para o aluno ou sua família. Algumas escolas têm salas de recursos especiais, e os profissionais que trabalham ali fazem a adaptação do material. Em outros locais, isso é feito pelo professor auxiliar, sempre sob supervisão do professor regente da turma. O psicólogo, o fonoaudiólogo e o terapeuta ocupacional que acompanham a criança podem auxiliar a escola nesse processo, passando informações sobre as necessidades adaptativas, mas não é função deles preparar esse material. 

Qual a importância da parceria Família & Escola? Precisamos entender que pais e escola não estão em lados opostos numa batalha. Tanto um quanto o outro devem trabalhar em prol do desenvolvimento do autista. Pais, auxiliem os professores a entenderem, estimularem e ensinarem seus filhos. Os pais são as pessoas que mais entendem sobre como o aluno é motivado, animado e produtivo, mas muitas vezes não sabem como ensinar seus filhos. Professores têm as técnicas de ensino, sabem o que é esperado e têm estratégias para o ensino, mas muitas vezes não sabem o que motiva, o que anima e o que desregula seu aluno. Quando nós, pais, mostrarmos para a escola que estamos dispostos a uma parceria e não a uma disputa de poder ou de conhecimento, poderemos juntos otimizar o desenvolvimento e evolução do nosso filho, aluno da escola. 

 

[1] Por Claudia Coelho de Moraes. Professora; Pedagoga; Pós-graduada em Ensino Estruturado para TEA; Mestranda em Educação; Coordenadora do Instituto Ninho; Palestrante; Coautora do livro “Portfólio de Atividades para o Ensino Estruturado” e do livro “Autismo, O Transtorno do Implícito”; Membra do Conselho de Honra da REUNIDA; Membra Fundadora do AUTISUL e Membra do NAPNE IFRJ/Resende. @institutoninho @claudia.moraes.7330.

[2] Ibid.

5 atividades que podem ajudar crianças autistas na autoestima e autonomia

Tempo de Leitura: 4 minutos

Guia feito pelo Instituto Mauricio de Sousa e Revista Autismo dá diversas dicas

Durante a pandemia, muitas famílias tiveram que usar a criatividade para pensar em atividades para as crianças, principalmente as que estão ainda sem ir presencialmente à escola. Para os autistas, o desafio é ainda maior, sem escola e sem terapia em muitas ocasiões. Aqui vão 5 dicas de atividades que podem ser muito úteis a todas as crianças, mas, em especial, às autistas:

Dica de atividade com André, da Turma da Mônica - Canal Autismo / Revista Autismo1

Brinquedos espalhados pelo chão, por exemplo, podem virar uma atividade para os pequenos. Nesse “campo minado”, cada brinquedo “resgatado” e guardado numa gaveta ou baú, vale ponto. Os itens menores, que exigem mais coordenação motora fina, valem mais pontos. Assim, pode-se arrumar a bagunça de maneira divertida e estimulando a habilidade da criança. E no fim, comemorar, mais uma conquista para se orgulhar!

2

Quem está na foto? Que tal pedir para a criança nomear as pessoas que ela conheça nas fotos? Isso auxilia a memória e a abstração. Podemos pedir para ela contar uma história sobre aquela foto e trabalhar a criatividade. Coloque também foto da própria criança. São inegáveis os benefícios de reconhecer-se e valorizar-se como pessoa!

3

Faça um buraco numa caixa (pode ser de sapato) num tamanho para passar somente a mão. Coloque dentro alguns objetos e peça para a criança adivinhar o que é, somente pelo tato. Não vale espiar, hein!? Isso estimula não só o tato, como a comunicação e a habilidade de descrever objetos. Dar pulos para comemorar e aplaudir o sucesso da criança não só incentiva como também melhora muito sua autoestima.

Dica de atividade com André, da Turma da Mônica - Canal Autismo / Revista Autismo4

Fique em frente à criança e faça vários movimentos. Ela tem que imitar ao mesmo tempo que você faz os gestos! Não vale ir muito depressa ou pular etapas. Esta atividade trabalha os domínios atencionais e de controle inibitório. E, se ver no espelho, ajudou a valorizar sua imagem e a si mesmo, claro!

5

Por fim, uma atividade que pode ser feita o dia todo, nos pequenos detalhes do dia a dia. É importante que a criança continue com a autonomia conquistada. Nada de fazer pelos pequenos coisas que eles fazem sozinhos na escola. É legal elogiar sempre o que a criança fizer e conseguir. É muito bom demonstrar o quanto ela é valorizada e o quanto você a ama.Atividades para as crianças, especialmente as autistas, fazerem em casa — Instituto Mauricio de Sousa e Revista Autismo

Guia

Estas e outras atividade e recomendações estão no guia gratuito “Dicas de atividades para as crianças, em especial as autistas, fazerem em casa”, que foi realizado em parceria com Instituto Mauricio de Sousa e Revista Autismo, com dicas de atividades do Centro Neuro Days e patrocínio da Academia do Autismo. A estrela da capa e das páginas internas do guia é o André, o personagem autista da Turma da Mônica.

“O nosso personagem André nos deixa muito felizes por estar, cada vez mais, ganhando reconhecimento e contribuindo para levar essa representatividade à comunidade autista. E também informações corretas que ajudam as famílias a apoiar o pleno desenvolvimento das crianças que fazem parte do Transtorno do Espectro do Autismo. Esse guia é um exemplo das ações com o personagem com esse objetivo”, comenta Mauricio de Sousa.

O Guia pode ser baixado gratuitamente no site do Instituto Mauricio de Sousa, no site da Revista Autismo, ou ainda na Academia do Autismo.

Sobre as instituições

Instituto Mauricio de Sousa (IMS) – Fundado nos anos 90, o IMS realiza projetos, campanhas e ações sociais focados na construção de conteúdos que, por meio de uma linguagem clara e lúdica, estimulam o desenvolvimento humano, a inclusão social, o incentivo à leitura, o respeito entre as diferenças, a formação de cidadãos conscientes e conhecedores de seus deveres e direitos.

Revista Autismo – Publicação gratuita, impressa e digital, a Revista Autismo (fundada em 2010) é a primeira revista periódica da América Latina sobre o assunto, além de ser a primeira, do mundo, em língua portuguesa. Com edições trimestrais, a revista está com site novo: o CanalAutismo.com.br

Centro de Avaliação Neuro Days é uma entidade que realiza avaliações neuropsicológicas e psicológicas por valores sociais baseados em questionário socioeconômico com o objetivo de democratizar esse exame tão importante e que por vezes não é acessível para as famílias mais carentes.

Academia do Autismo é uma instituição fundada em 2016 especializada no ensino à distância na área do Transtorno do Espectro Autista, com mais de 20 mil alunos formados, e que visa ser um porto seguro de conhecimento A Academia do Autismo é uma instituição fundada em 2016 especializada no ensino à distância na área do Transtorno do Espectro Autista, com mais de 20 mil alunos formados, e que visa ser um porto seguro de conhecimento para profissionais e familiares.

Instituto Mauricio de Sousa e Revista Autismo lançam guia com dicas de atividades para autistas

Tempo de Leitura: 3 minutos

Em versões impressa e digital, o guia é todo ilustrado com o personagem André

Numa iniciativa conjunta, o Instituto Mauricio de Sousa e a Revista Autismo lançaram o guia “Atividades para as crianças, especialmente as autistas, fazerem em casa”, impresso e digital, com diversas dicas de atividades que estimulam o desenvolvimento das crianças e um olhar especial para as que estão no espectro do autismo. O objetivo é orientar e dar ideias para as famílias que estão em isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus.

As atividades são ilustradas com o André, o personagem autista da Turma da Mônica, que tem histórias exclusivas publicadas a cada edição da Revista Autismo, há mais de dois anos. “O André tem ajudado muito a autistas e familiares, não somente na conscientização da sociedade, mas também com a representatividade dos autistas nas histórias em quadrinhos, com uma inclusão natural nos roteiros”, explicou o jornalista Francisco Paiva Junior, editor-chefe da Revista Autismo, que tem parceria com o Instituto Mauricio de Sousa desde o início de 2019.

André

“O nosso personagem André nos deixa muito felizes por estar, cada vez mais, ganhando reconhecimento e contribuindo para levar essa representatividade à comunidade autista. E também informações corretas que ajudam as famílias a apoiar o pleno desenvolvimento das crianças que estão no Transtorno do Espectro do Autismo. Esse guia é um exemplo das ações com o personagem com esse objetivo”, comenta Mauricio de Sousa, o pai da Turminha.

Digital e impresso, com tiragem de 40 mil exemplares, o guia foi patrocinado pela Academia do Autismo. “Há bastante tempo as evidências apontam que a família é o principal agente transformador na vida dos filhos, mas isto tomou uma importância ainda maior nos últimos meses, com a pandemia. Contribuir com dicas valiosas para pais e responsáveis aplicarem em casa é muito gratificante, pois agir de forma apropriada pode ser um grande diferencial não só neste momento, mas em qualquer tempo”” argumentou Fabio Coelho, diretor da Academia do Autismo.

Todas as dicas de atividades foram cuidadosamente planejadas pelo Centro Neuro Days, um centro de avaliações neuropsicológicas que faz atendimentos por valores sociais, de acordo com a situação socioeconômica e personalizada para cada família, com profissionais que atuam nas grandes universidades como Unifesp e USP. “Pequenas ideias e sugestões neste momento podem ser muito valiosas para todos”, disse a neuropsicóloga Deise Ruiz, fundadora do Centro Neuro Days, que elaborou as dicas junto com sua equipe.

Download

O guia com dicas de atividades pode ser baixado no novo site da Revista Autismo: CanalAutismo.com.br.

 

Saiba mais

Instituto Mauricio de Sousa (IMS) – Fundado nos anos 90, o IMS realiza projetos, campanhas e ações sociais focados na construção de conteúdos que, por meio de uma linguagem clara e lúdica, estimulam o desenvolvimento humano, a inclusão social, o incentivo à leitura, o respeito entre as diferenças, a formação de cidadãos conscientes e conhecedores de seus deveres e direitos.

Revista Autismo – Publicação gratuita, impressa e digital, a Revista Autismo (fundada em 2010) é a primeira revista periódica da América Latina sobre o assunto, além de ser a primeira, do mundo, em língua portuguesa. Com edições trimestrais, a revista está com site novo: o CanalAutismo.com.br

Centro de Avaliação Neuro Days – entidade que realiza avaliações neuropsicológicas e psicológicas por valores sociais baseados em questionário socioeconômico com o objetivo de democratizar esse exame tão importante e que por vezes não é acessível para as famílias mais carentes.

Academia do Autismo – instituição fundada em 2016 especializada no ensino à distância na área do Transtorno do Espectro do Autismo, com mais de 20 mil alunos formados, e que visa ser um porto seguro de conhecimento para profissionais e familiares.