Por

Redação da Revista Autismo

""

Sinceridade extrema no autismo é tema de podcast

10 de fevereiro de 2020

Tempo de Leitura: < 1 minuto

O podcast Introvertendo liberou, nesta sexta-feira (7), o seu 87º episódio, cujo título é Sincericídio. No episódio, os podcasters autistas Paulo Alarcón, Tiago Abreu e Willian Chimura discutem na dificuldade de alguns autistas em “maquiar” a verdade durante os processos de interação social.

O sincericídio é um fenômeno geralmente relacionado com o conceito de Teoria da Mente, que é a capacidade de elaborar hipóteses a respeito dos pensamentos alheios.

O episódio está disponível para ser ouvido em diferentes plataformas, como o Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts, e CastBox, ou no player abaixo.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Na intervenção fonoaudiológica é preciso avaliar e tratar o quanto antes

/
Por Redação da Revista Autismo
Nos casos de autismo ou transtornos do espectro do autismo (TEA), é de extrema importância a adequada avaliação e intervenção de linguagem, uma vez que é um aspecto notadamente comprometido. As alterações de linguagem influenciam no prognóstico destes quadros, podendo variar de acordo com a severidade do quadro. A adequada avaliação de linguagem auxiliará no diagnóstico e pro-verá um adequado planejamento de intervenção.

Autismo e outros transtornos do espectro autista

Por Redação da Revista Autismo
O Autismo Infantil foi descrito inicialmente por Kanner em 1943…

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.