Giulia Jardim Martinovic

Por

Giulia Jardim Martinovic

"Jornalista, graduanda em Letras, neurodiversa, ativista pelo TEA, pesquisadora no Instituto de Psicologia da USP e fundadora do Coletivo Autista da USP (Causp), que luta pela permanência de estudantes autistas na universidade."

Autistas preferem o termo TEA ou síndrome de Asperger?

22 de junho de 2021Autistas preferem o termo TEA ou síndrome de Asperger? - Canal Autismo / Revista AutismoGiulia Jardim MartinovicImagem: Giulia Martinovic

Tempo de Leitura: 3 minutos

Apesar da substituição de síndrome de Asperger por TEA, ainda há divergência na preferência do uso dos termos ‘aspie’ e ‘autista’’. 

Layne Bregantini - Canal Autismo / Revista Autismo

Layne Bregantini.

O termo “síndrome de Asperger” e os seus diminutivos, como “aspie”, podem incomodar pessoas autistas, como é o caso da vestibulanda de 18 anos, Layne Bregantini, que já foi alvo de ataques em seu Instagram (@laynebregantiniautista) por ser autista e sonhar em ser médica. Layne prefere o termo Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) com nível 1 de suporte ou autismo leve. Do mesmo modo, Priscila Corrêa, de 28 anos, mestranda em Oceanografia pela Universidade de São Paulo (USP),  também prefere não fazer uso da nomenclatura pois essa “exclui a ideia de que o autismo é um espectro totalmente diverso e passa a ideia errônea de que o autismo é linear e os indivíduos com asperger seriam menos autistas que os demais autistas.” Priscila enfatizou:  “todos autistas, somos únicos e diferentes, cada um com as suas limitações e habilidades”.

Priscila Corrêa - Canal Autismo / Revista Autismo

Priscila Corrêa.

Vale lembrar que o Hans Asperger, médico austríaco que descreveu pela primeira vez o ‘autismo leve’, nomeado como “síndrome de Asperger”, contribuiu com o programa de eutanásia nazista e realizou experientos com centenas de crianças com com distúrbios neurológicos na clínica de Am Spiegelgrund. Entretanto, o diagnóstico de síndrome de Asperger entrou em desuso desde maio de 2013, quando foi lançado o quinto Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), substituindo o DSM-4 e unindo vários diagnósticos em um: o Transtorno do Espectro do Autismo. A CID-11 (nova versão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde) também seguiu o mesmo caminho, e passa a abranger todo o espectro com a mesma nomenclatura, TEA, que entra em vigor no início de 2022.

Vitor Monri - Canal Autismo / Revista Autismo

Vitor Monri.

Estigma

Além disso, no Brasil, até hoje, uma grande parcela dos autistas ainda utiliza o termo asperger. Os motivos são vários, como os seus médicos não terem atualizado o diagnóstico para TEA. Também há casos de autistas de nível 1 que preferem o termo asperger como uma forma de distanciamento do estigma que envolve a palavra “autista”, evitando, dessa forma, os preconceitos. Esse é o caso do Vitor Monri, poeta de 24 anos, que prefere utilizar asperger ou aspie, “pois é mais bonito e prático, além de não subestimar o indivíduo”. 

É essencial conscientizarmos as pessoas de que o TEA não é uma doença, mas um “neurotipo” de espectro infinito. Por isso muitos autistas  preferem usar o símbolo da neurodiversidade (infinito preenchido com o espectro de cores do arco-íris) ao invés do tradicional quebra-cabeças, símbolo do autismo.

Compartilhe

Comentários

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Sobre autistas, sincericídio e padrões do cérebro neurodivergente

/
Selma Sueli Silva Por Selma Sueli Silva
A busca de autistas por padrões para compreender o mundo à…
Quantos autistas há nas universidades brasileiras? — Revista Autismo

Coletivos de autistas expandem entre universidades públicas

/
Avatar Por Redação do Canal Autismo
Autistas universitários tem criado, em todo o país, os chamados…