5 de novembro de 2022

Tempo de Leitura: < 1 minuto

No Crato, interior do Ceará, vive Alane Dias. Ela é mãe de Vicente Neto, de 10 anos, que é diagnosticado com autismo e estuda numa escola pública do município. Além dela, há um grupo de mais de 100 famílias que convivem com a deficiência.

Em entrevista dada a Verdes Mares, ela falou sobre o autismo do filho. “Quando falamos em autismo, temos que lembrar que é um distúrbio de interação social, de linguagem e de comportamento. Quanto mais alto o nível, mais dificuldades. Meu filho está aprendendo ainda a brincar, é um processo lento. E as crianças autistas podem e devem evoluir”, destacou.

Publicidade
Tismoo.me

Apesar disso, crianças como Vicente tem enfrentado desafios pela falta de recursos e profissionais. “Meu filho fica só uma hora em sala de aula. Interage com alguns alunos. Tem um suporte, a cuidadora. Mas eles não estão totalmente preparados para suprir as necessidades das crianças. Não sabem lidar com as crianças com autismo grave. Precisam de mais capacitação. E mais, as escolas precisam de mediadores”, afirmou.

COMPARTILHAR:

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Conferência de neurociência nos EUA mostrou dados de pesquisa com Canabidiol e autismo

Fórum terá exposição de obras sobre deficiência e neurodivergências

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)