Por

Selma Sueli Silva

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Facebook de Selma Sueli SilvaTwitter de Selma Sueli SilvaInstagram de Selma Sueli SilvaCanal no Youtube de Selma Sueli Silva

PCD – Não ligue o piloto automático

6 de maio de 2022PCD – Não ligue o piloto automático — Canal Autismo / Revista Autismo

Tempo de Leitura: 2 minutosO aprendizado é para ser guardado, arquivado. Assim, todos as vezes que precisamos, podemos acessá-lo. Regras também são importantes. Tudo isso são referências para nossas novas ações. Mas, e gente? Todo o tipo de gente? Por exemplo… existe padrão? Bem… gente é para brilhar. Não há tipo de gente padrão. Aliás, seres humanos estão em constante construção. Então, por que motivos, tentamos enquadrar, engessar, padronizar? O mais importante é entender que quando se trata de gente, não podemos engessar a relação. Mesmo que sejam PCD, não ligue o piloto automático.

Queimando etapas com PCDs

Não podemos queimar etapas. Aliás, muito menos, ligar o piloto automático. Qualquer que seja o evento, o ritual do conhecimento, da preparação, deve ser sagrado. Desse modo, a gente se aproxima de mansinho, estuda o terreno, dá um passo de cada vez. Observa, serenamente. Com cuidado, devagar.

Academia do Autismo

Ir de ‘vagar’… vaguear sem direção, sem pré-conceitos. Perambular, sem pressa, passear. Para a interação entre almas há de se ter tempo para vaguear, errar, perambular, passear, andejar, vagabundear, girar, numa espécie de dança do conhecimento. Isso mesmo! Está tudo lá, no dicionário.

Mas o que fazemos? Criamos um padrão e logo tentamos segui-lo. Ligamos o piloto automático e pronto. Ao se encontrar com uma pessoa com deficiência, PCD, não ligue o piloto automático. Quanto menos a pessoa se encaixar, mais achamos que a culpa é dela. Afinal, o diferente é visto como desconhecido. E o desconhecido gera medo nas pessoas. Assim, é nesse momento que as pessoas se colocam na defensiva, se encolhem e excluem.

Não há descoberta quando se liga o piloto automático

Quando entendemos que não há descoberta quando se liga o piloto automático, entendemos mais. Não há descobertas também, inovações… crescimento. Logo, podemos entender que a criação vem quando nos deparamos com as diferenças. Então, é preciso conhecer, com a calma de quem estuda a riqueza de um terreno. Então, fica mais fácil entender. Não precisamos saber tudo. Precisamos, isso sim, ser receptivos ao novo. Respeitar o diferente. Aí sim, nos tornamos aptos à criatividade. Criar, dessa forma, uma nova sociedade. Mais rica, digna, equânime, igualitária, humanizada e, sobretudo, mais justa!

Compartilhe

Comentários

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por esta razão o tratamento deve ser contínuo e envolver uma equipe multidisciplinar (Schwartzman, 2003). A eficácia de um tratamento depende da experiência e do conhecimento dos profissionais sobre o autismo e, principalmente, de sua habilidade de trabalhar em equipe e com a família (Bosa, 2006).

Saiba o que é um QR-Code e como usá-lo

Por Redação da Revista Autismo
Um QR-Code é uma matriz, uma espécie de código de barras de…