21 de junho de 2024

Tempo de Leitura: 2 minutos

Junho é mês de comemoração e festa junina, um evento cheio de música, dança, comidas típicas e para os autistas, uma festa de estímulos. Separamos esse momento para falar sobre como tornar esta data mais leve para os autistas. Afinal, todos nós merecemos a alegria de festejar e a paz de estar bem consigo mesmo. 

Assim como outras festas e eventos comemorativos o ambiente irá estar repleto de pessoas, música e estímulos vindos de sons, cores e a própria vivência de estar lá, para isso, é importante se planejar para o evento e deixar a pessoa preparada para o dia. Sendo assim, é interessante mostrar vídeos de como será a festa, colocar a música típica para tocar alguns dias antes para se acostumar com alguns sons. No caso de precisar vestir alguma fantasia, deixe que a pessoa experimente a roupa antes e use ao longo do dia para que ela possa se acostumar com as texturas e para que você consiga identificar eventuais gatilhos para crises. 

Publicidade
Livro: Autismo — Não espere, aja logo!

Preparar e planejar não eliminam as chances de haver a sobrecarga sensorial (uma das causas da crise no TEA) mas ajudam a tornar a experiência previsível para o autista, ajudando com a adaptação social, não apenas nesse evento como também aos próximos.

Crises e frustrações:

É comum se frustrar quando não se ganha o brinquedo na brincadeira, ou mesmo não consegue brincar, explique com antecedência como a brincadeira funciona e que não existe problema em perder ou não conseguir o brinquedo que deseja. Tenha em mãos um objeto ou brinquedo de conforto para ajudar a contornar a frustração e se necessário, se afaste do local da brincadeira para tentar mudar o foco da atenção da criança. Ir a outro local com menos pessoas, música e estímulos (como uma sala de descanso) pode ajudar muito. 

Hipersensibilidade auditiva: 

Músicas altas e fogos de artifício podem incomodar e serem gatilhos para crises. Procure permanecer em locais mais afastados das caixas de som e evite o horário de queima de fogos. Outra possibilidade é optar por protetores auriculares e abafadores, caso a criança esteja acostumada (teste previamente).

Clima frio e o choque térmico: 

Cuidado com a fogueira! O clima frio pode contribuir para o desenvolvimento de gripes e resfriados, assim como ficar muito perto do fogo para se esquentar e posteriormente se expor ao vento gelado, pode agravar esses quadros devido ao choque térmico. Saia de casa bem agasalhado, assim não precisará da fogueira para se aquecer! 

Seletividade alimentar: 

Poder saborear as comidas típicas é bom demais, mas sabemos como pode ser difícil inovar no paladar de pessoas com TEA. Apresente as comidas, deixe que a criança as veja e participe na escolha dos alimentos. O interesse por algo novo pode surgir após a exposição visual e tátil. Contudo, tenha sempre uma alternativa de um alimento aceito pela pessoa autista, no caso dela não aceitar nenhum dos disponíveis nas festividades, e cuidado com o excesso de doces e sódio. 

Aglomerações: 

Ambientes festivos têm uma concentração maior de pessoas, por isso fique atento aos espaços mais tranquilos! Opte por um local um pouco mais afastado das aglomerações, que seja mais calmo e seguro, ou saia do ambiente por alguns momentos para outro com menos estímulos sensoriais, tornando a experiência mais prazerosa e menos estressante para a pessoa com TEA.

 

(Originalmente publicado no Portal da Tismoo)

COMPARTILHAR:

A TISMOO.ME é uma startup de saúde e tecnologia que está melhorando a saúde e o bem-estar das pessoas autistas e de suas famílias. Além disso, a empresa criou uma inteligência artificial especializada em autismo, o Genioo, para você tirar suas dúvidas sobre o tema — faça um teste criando seu usuário grátis em: app.tismoo.me. Toda semana publicamos no Canal Autismo / Revista Autismo um artigo sobre a saúde da pessoa autista, acompanhe aqui e nos siga nas redes sociais.

Chico Buarque: sociólogo autista faz pesquisa sobre músicas do cantor

Autistas negros falam sobre o Dia do Orgulho Autista

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)