Por

Yara Delgado

Autista, analista de sistemas e ex-integrante do podcast Introvertendo.

Empatia, falta de empatia ou antipatia

1 de março de 2021Empatia, falta de empatia ou antipatia — Canal Autismo / Revista AutismoImagem: Josh Calabrese/Reprodução

Tempo de Leitura: 2 minutosCoisa que sempre me pareceu estranha é a dita “falta de empatia” autista.

A princípio, ignorei a questão tomando como “não sabem o que dizem”. Agi assim até perceber que para toda a experiência de vida que um colega relata, meu padrão é o de relembrar algum acontecimento semelhante que me ocorreu, e então sim, a partir desta perspectiva – que eu vivi –  ponderar sobre a dor ou o sentimento do outro.

Academia do Autismo

Tomar consciência deste comportamento mexeu com meu brio! Será que finalmente encontrei o significado do que se quer dizer com “autista não tem empatia”? Será que a empatia que demonstro, no fundo, é apenas comigo mesma, logo, não é empatia? 

Conversando com colegas autistas, não foi difícil encontrar relatos e confirmações de que muitos deles operam da mesma forma. Em resumo, não existe o colocar-se no lugar do outro. Para compreendermos o sentimento do outro, o que ocorre é o inverso: trazemos o outro para o nosso lugar. 

Como autista, obviamente sei que nem todas as pessoas sentirão o mesmo ao experienciar os fatos da vida. Neste caso, tenho um leque de probabilidades para supor, mas imaginar é muito mais superficial, confesso. Por isso, frases como “sinto muito” me soam absolutamente estranhas e descabidas, se eu não estiver sentindo nada. Eis o motivo pelo qual utilizo tão raramente expressões deste tipo. No entanto, quando as utilizo há uma sinceridade tão absoluta que literalmente dói!

Eu me pergunto: De fato, entre neurotípicos, isso funciona de forma diferente? É tão comum observarmos que os mais versados nas dificuldades da vida compreendem melhor quando o assunto é dor ou alegria. Estes conseguem abandonar opções binárias, a de bom ou mau, apercebendo-se mais comumente que o ser humano é demasiado complexo e por vezes vestir-se-á de uma ou outra roupagem, a depender do contexto.

Outra questão é: Operar de maneira diferente na compreensão dos sentimentos alheios pode ser chamado de falta de empatia?  Todos os autistas operam da mesma forma na questão empática?

Não tenho respostas, mas uma coisa eu sei: Autistas se importam com o outro, ainda que tenhamos que “olhar para dentro de nós” para compreender o sentimento.

Creio que ruim mesmo é a falta de interesse real para com o próximo, muitas vezes também associada ao excesso de sensibilidade em relação a si mesmo, mas todos podemos observar que isso não é um problema restrito ao autista. Creio que isto sim é não empático, pior do que isso: é antipático!

Compartilhe

Comentários

Autismo na adolescência é tema de podcast de autistas — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Introvertendo

Autismo na adolescência é tema de podcast de autistas

/
Por Redação do Canal Autismo
O podcast Introvertendo, produzido por autistas adultos e com…