29 de dezembro de 2022

Tempo de Leitura: < 1 minuto

O conceito de neurodiversidade tem sido amplamente discutido entre autistas, famílias, associações e profissionais. O termo surgiu a partir da socióloga australiana Judy Singer, como um movimento do final dos anos 1990 colocando o autismo no patamar de ‘condição’ e não mais como doença.

De lá para cá, muitos profissionais passaram a ouvir seus clientes autistas e começaram a entender que dar ouvidos a essas vozes era o caminho para a compreensão e consequentemente mais ferramentas de suporte.

Publicidade
ExpoTEA

Abaixo, alguns pontos relevantes que mudam com a visão da neurodiversidade.

MODELO MÉDICO O QUE MUDA NEURODIVERSIDADE
PERSEVERAÇÃO EM TEMAS NÃO COMUNS COMUNICAÇÃO HIPERFOCO
ESTEREOTIPIAS AUTO REGULAÇÃO STIMS – (*)
REABILITAÇÃO SUPORTE AUTO-CONHECIMENTO
CURA/MELHORA ACESSIBILIDADE DIVERSIDADE
DOENÇA COMPREENSÃO CONDIÇÃO

(Ayub, P. 2022)

A visão neurodiversidade enriquece nossas ferramentas, nosso suporte e retira o autista do lugar de quem tem déficits. A tríade do autismo de Lorna Wing foi baseada nos prejuízos da comunicação, interação social e flexibilidade e vida imaginativa. O que era incapacidade, atualmente é compreendida como forma de funcionamento cerebral divergente. Nesse sentido, deixamos de arrumar, concertar, reabilitar, para oferecer acesso e suporte: acessibilidade de comunicação, sensorial, curricular, e todas as que pudermos oferecer.

É necessário legitimar o saber do autista. Eles nos trazem um conhecimento silenciado por longas décadas, quando acreditávamos que eram pessoas que precisavam se adaptar ao mundo típico.

É necessário aceitar a diversidade. Ela não está exclusivamente no modo de funcionamento cerebral; está nas escolhas, nas culturas, nas religiões, no gênero e, esse é nosso mundo: colorido e plural.

É necessário entender que autistas não são anjos e não são azuis. São seres humanos sexuais, com direitos e que abrange os sexos biológicos e todas as construções de gênero.

Ouvir a voz do autista é aprender e construir caminhos de acessibilidade.

COMPARTILHAR:

É psicóloga clínica, terapeuta de família, diretora do Centro de Convivência Movimento – local de atendimento para autistas –, autora de vários artigos e capítulos de livros, membro do GT de TEA da SMPD de São Paulo e membro do Eu me Protejo (Prêmio Neide Castanha de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes 2020, na categoria Produção de Conhecimento).

Retrospectiva 2022: 10 fatos do autismo no Brasil que marcaram o ano

Governador eleito de SP volta atrás e mantém Secretaria da Pessoa com Deficiência

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)