Posts

Autistas relatam dificuldades com exercícios e alimentação em podcast

Tempo de Leitura: < 1 minutoO podcast Introvertendo, produzido por autistas adultos e com diálogos sobre o autismo, lançou nesta sexta-feira (19) o seu 196º episódio, chamado “Sedentarismo”. O episódio contou com três integrantes do podcast: a engenheira Thaís Mösken, o estudante Michael Ulian e o analista de sistemas Paulo Alarcón, todos autistas.

Os três podcasters abordaram questões que estão diretamente envolvidas a um estilo de vida não saudável, como ausência de exercícios, alimentação não balanceada e o uso de medicações, no contexto do autismo. Paulo, por exemplo, relembrou a infância na escola. “Até aos 13 anos eu era bastante sedentário. Essa foi a primeira fase de sedentarismo que eu tive. Realmente havia essa dificuldade da interação tanto na educação física como com as outras crianças mesmo nas peladas do bairro”, disse ele.

Thaís acha que ainda há uma ausência de programas educacionais voltados a autistas. “Programa de educação física como um todo é pra mim pelo menos me parece muito focado em quem é neurotípico e quem não for provavelmente vai ser excluído daquilo, não vai conseguir absorver o que é a proposta, e muitas vezes vai sair com esse tipo de sensação de que aquele é o momento perdido, aquela é a pior aula, a pior disciplina”, afirmou.

O episódio está disponível para ser ouvido em diferentes plataformas de podcast e streaming de música, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Nutricionista cria estratégia de nutrição para autistas em pesquisa

Tempo de Leitura: < 1 minutoA nutricionista Carolina Abella Marques desenvolveu uma dissertação de mestrado sobre alimentação de autistas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Chamada “Desenvolvimento de instrumento de educação nutricional para pacientes do transtorno do espectro autista”, a pesquisa investigou mais de 100 famílias e gerou uma estratégia nutricional e comportamental voltada à crianças no espectro.

Segundo o Jornal da UFRGS, o instrumento de avaliação nutricional de Carolina envolve quadro de atividades, cartas, boneco de quebra cabeças, manual de instruções e vídeos direcionados à família.

Confira a entrevista no episódio de podcast: