Por

Francisco Paiva Jr.

Editor-chefe da Revista Autismo, jornalista, empreendedor.

Facebook de Francisco Paiva Jr.Linkedin de Francisco Paiva Jr.Twitter de Francisco Paiva Jr.Instagram de Francisco Paiva Jr.Canal no Youtube de Francisco Paiva Jr.

EUA publica nova prevalência de autismo: 1 a cada 44 crianças, com dados do CDC

2 de dezembro de 2021EUA publica nova prevalência de autismo: 1 a cada 44 crianças, com dados do CDC — Canal Autismo / Revista AutismoCanal Autismo / Revista AutismoGráfico de prevalência de autismo nos EUA, com dados do CDC, divulgados desde 2004. (arte: Canal Autismo / Revista Autismo)

Tempo de Leitura: 2 minutos

Uma em cada 44 crianças aos 8 anos de idade nos Estados Unidos é diagnosticada com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), segundo relatório do CDC (Centro de Controle de Doenças e Prevenção), publicado hoje (2.dez.2021). O número — com dados de 2018 — representa mais um aumento de 22% em relação ao estudo anterior (1 para 54 — divulgado em 2020). Numa transposição dessa prevalência (de 2,3% da população) para o Brasil, teríamos hoje cerca de 4,84 milhões de autistas no país. Porém, ainda não temos números de prevalência de autismo no Brasil.

Academia do Autismo

Um segundo estudo do CDC, também publicado hoje, trouxe outra perspectiva: depois de olhar para crianças de 4 anos nas mesmas 11 comunidades analisadas nos EUA, no primeiro relatório, os pesquisadores descobriram que houve progresso na identificação precoce de crianças com autismo. Essas crianças tinham 50% mais chances de receber um diagnóstico de autismo ou classificação de educação especial até os 4 anos, quando comparadas às crianças de 8 anos.

“Os resultados desses dois novos relatos de prevalência [de autismo] — com resultados variados em diferentes configurações geográficas e grupos sociodemográficos — refletem os muitos desafios que pesquisadores e autoridades de saúde pública têm ao tentar determinar a verdadeira prevalência [do autismo]”, disse Andrew Adesman, chefe de pediatria comportamental e de desenvolvimento do Cohen Children’s Medical Center, em New Hyde Park, Nova York (EUA).

Foto: divulgação / CDC

Dados de 2018

A nova estatística foi baseada em dados de 2018 de 11 comunidades da rede de Monitoramento do Autismo e Deficiências do Desenvolvimento (ADDM). As taxas de autismo nessas comunidades variaram de 1 em 60 (1,7%) no Missouri a 1 em 26 (3,9%) na Califórnia.

Essas diferenças podem ser devido à forma como as comunidades identificam crianças com autismo, de acordo com o CDC, que observou que algumas comunidades também têm mais serviços de saúde e educação para crianças com autismo e suas famílias.

“O diagnóstico e o tratamento precoces do autismo otimizam a capacidade das crianças de aprender, envolver-se com os outros e desenvolver independência”, explicou Deborah Bilder, professora de psiquiatria infantil e adolescente e pediatria do Huntsman Mental Health Institute da University of Utah Health, em nota à imprensa. Ela ainda completou: “É por isso que esses estudos são tão importantes. Eles não apenas nos ajudam a ter uma ideia melhor da crescente prevalência do autismo, mas também podem melhorar políticas, serviços e pesquisas direcionadas a ajudar crianças e suas famílias afetadas pelo autismo”, ressaltou ela.

Pesquisadores também encontraram diferenças raciais e étnicas persistentes no diagnóstico de autismo. Em várias das 11 comunidades, menos crianças hispânicas foram diagnosticadas com autismo do que crianças negras ou brancas. Além disso, crianças negras com autismo eram mais propensas a serem diagnosticadas com deficiência intelectual do que crianças brancas ou hispânicas com autismo.

O estudo original (em inglês) pode ser acessado neste link, no site do CDC.

EUA publica nova prevalência de autismo: 1 a cada 44 crianças, segundo CDC — Canal Autismo / Revista Autismo

Compartilhe

Comentários

Maior parque aquático do país inaugura atividades com acessibilidade para autistas — Canal Autismo / Revista Autismo
Autismo feminino e superdotação: sobre-excitabilidade — Canal Autismo / Revista Autismo

Autismo feminino e superdotação: sobre-excitabilidade

/
Por ONDA-Autismo
A superexcitabilidade, que também pode ser chamada de hiperexcitabilidade,…