29 de junho de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutos

Autistas e familiares participantes da comunidade do autismo comemoraram virtualmente o Dia do Orgulho LGBTQIA+ nesta segunda-feira (28). A data é comemorada anualmente em 28 de junho em memória ao dia em que homossexuais, lésbicas, bissexuais e pessoas trans frequentadoras do bar Stonewall Inn, nos Estados Unidos, se rebelaram contra a repressão policial.

A psicóloga e ativista Kmylla Borges aproveitou a data para escrever um texto sobre sua vida como autista lésbica. “Era lgbtqia+ antes de saber o que é isso, era autista antes de saber. A sociedade tem essa ‘mania’ de querer normalizar tudo”, afirmou.

Publicidade
Congresso Extraordinário

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por @kmylla.borges

A jornalista Sophia Mendonça, que é autista e trans, também fez reflexões sobre interseccionalidade. “Os discursos de que nós “escolhemos” esse caminho tortuoso, a despeito de que ser LGBTQIA+ não é escolha, por exemplo, abrem precedentes para nos tornarmos ainda mais vulneráveis nessa estrutura social mais ampla”, disse ela.

Amanda Ribeiro, do perfil @mamãequeviaja, questionou o preconceito de mães de crianças com deficiência em relação a pessoas LGBTQIA+. “Se você é uma pessoa com deficiência ou mãe de uma pessoa com deficiência você faz parte de uma minoria e provavelmente já viveu discriminação, preconceito, constrangimento, você sabe o que é ser excluído!”, disse.

Em junho, também publicamos histórias de autistas LGBTQIA+ no texto “Entre dois armários“.

Confira tweets de autistas sobre o tema:

COMPARTILHAR:

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Globo Repórter conta história de autista em série sobre preconceito

‘As mães eram muito desconfiadas’, afirma Andréa Werner sobre autistas adultos na web

Publicidade
Assine a Revista Autismo
Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)