Por

Carol Aguiar

É mãe do Zion, da Liora e do Ben (Liora tem Síndrome de Angelman), coordenadora do Grupo Juntos, presidente da Associação Angelman Brasil, membro do Conselho Científico da ISAAC-Brasil (Capítulo Brasileiro da International Society for Augmentative and Alternative Communication).

Síndrome de Angelman

1 de março de 2021

Tempo de Leitura: 3 minutosA Síndrome de Angelman é um distúrbio neurogenético que atinge 1 em cada 15.000 nascidos vivos. A estimativa é que existam 12.000 pessoas com Angelman no Brasil.

A síndrome foi descrita pela primeira vez em 1965, pelo pediatra inglês Harry Angelman.

Academia do Autismo

É uma síndrome monogênica, causada por uma disruptura do gene UBE3A materno, localizado no cromossomo 15. A cópia paterna do gene está silenciada, um fenômeno conhecido como imprinting.

A síndrome pode ser causada por 4 diferentes genótipos: deleção, mutação, dissomia uniparental e defeito de imprinting.

Em torno de 70% dos casos são causados por deleção, ou seja, perda de material genético na região q.11-13, onde está localizado o gene UBE3A. Cerca de 10% são causados por uma mutação no gene. Outros 5% a 10% surgem quando a pessoa recebe dois genes paternos, que estão silenciados, esses casos são conhecidos como dissomia uniparental (UPD). Os 5% a 10% restantes são casos de defeito de imprinting (ICD), isto é, apesar da cópia materna do UBE3A estar perfeita, uma disruptura no centro de imprinting faz com que o gene seja silenciado.

Alguns casos de mutação e defeito de imprinting podem ser hereditários e, para famílias com diagnóstico desses genótipos, é necessário um aconselhamento genético.

A síndrome de Angelman caracteriza-se por atrasos globais do desenvolvimento, hipotonia, distúrbio do sono, refluxo, epilepsia, distúrbio de equilíbrio, estrabismo divergente, ataxia, apraxia global severa, dispraxia e deficiência intelectual. Em alguns casos a pessoa pode apresentar albinismo e é comum ter pele, olhos e cabelos mais claros do que o resto da família. Algumas pessoas com Angelman não andam. A grande maioria não fala. Eles não se tornam independentes e precisam de cuidado constante para o resto da vida.

Os primeiros sintomas podem aparecer ainda na maternidade, já que alguns bebês apresentam dificuldade para sugar. Os atrasos ficam mais evidentes entre 6 meses e 1 ano.

O eletroencefalograma de pessoas com a síndrome mostra um padrão característico e, mesmo que a pessoa não apresente crises convulsivas, esse dado pode ajudar a chegar no diagnóstico genético. Mas a ausência desse padrão no EEG não exclui o diagnóstico de Angelman.

As pessoas com a síndrome têm uma disposição alegre, costumam rir com facilidade e tem fascínio por água. São muito sociáveis e gostam de atenção.

Muitas vezes recebem o diagnóstico errado de paralisia cerebral ou autismo.

A epilepsia na síndrome de Angelman é muito específica. Alguns remédios anticonvulsivos, que são amplamente usados na população em geral, podem ter efeitos colaterais graves em pessoas com Angelman, podendo até levar ao aumento das crises convulsivas. Essa é uma razão pela qual o diagnóstico genético é tão importante e pode fazer toda a diferença no tratamento.

Pessoas com a síndrome podem apresentar problemas de visão, como deficiência visual cortical, estrabismo divergente e nistagmo.

Problemas gastrointestinais como refluxo e constipação são muito comuns. Alguns apresentam disfagia.

As pessoas com Angelman têm necessidades complexas de comunicação. Apesar de uma boa linguagem receptiva, eles têm uma linguagem expressiva muito limitada e devem iniciar a comunicação aumentativa e alternativa (CAA) o quanto antes. Vale lembrar que nunca é cedo ou tarde demais para se iniciar o uso da CAA e que não existem pré-requisitos.

É sempre bom ressaltar também que a síndrome de Angelman é um espectro e nem todas as características se aplicam a todos os indivíduos. Cada pessoa é única, apresenta características e se desenvolve de maneira única.

O futuro é promissor para as pessoas com síndrome de Angelman. Em 2020, tiveram início dois testes clínicos em humanos com terapias que tentam ativar o gene paterno utilizando ASO (antisense oligonucleotide). Os resultados preliminares são animadores, mostrando melhora em diversas áreas. Nos próximos anos devemos ter tratamentos aprovados que melhorem significativamente a qualidade de vida das pessoas com Angelman.

Compartilhe

Comentários

Pré-venda do livro Autismo no Feminino é anunciada — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / O Mundo Autista

Pré-venda do livro Autismo no Feminino é anunciada

/
Por Redação do Canal Autismo
O livro Autismo no Feminino - A voz da mulher autista, organizado…
Prefeitura de SP lança projeto para TEA e Down em total desacordo com os estudos anteriores — Canal Autismo / Revista AutismoRodrigo Tetsuo Argenton / Creative Commons

Prefeitura de SP lança projeto para TEA e Down em total desacordo com os estudos anteriores

/
Por Paula Ayub
Sobre o Complexo de Referência da Pessoa com Transtorno do Espectro…