Por

ONDA-Autismo

Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas

Instagram de ONDA-AutismoCanal no Youtube de ONDA-Autismo

Saúde mental das mulheres autistas

4 de abril de 2022

Tempo de Leitura: 3 minutos

Por Profª Cláudia Moraes, autista diagnosticada aos 56 anos

Vice-presidenta da ONDA-Autismo

Em relação ao Transtorno do Espectro Autista (TEA), muito se tem falado no país sobre o diagnóstico precoce, a inclusão escolar, as terapêuticas e as metodologias que envolvem crianças. Falar sobre adultos é muito esporádico, falar de mulheres adultas mais esporádico ainda.

Tismoo Biotech

Até nas práticas baseadas em evidências se fala pouco sobre mulheres, e é natural pensarmos que pouca prevenção para a saúde mental desse público tem sido feita, ignorando-se fatores importantes como a alta taxa de suicídio e as condições associadas como ansiedade, depressão, automutilação, fibromialgia, entre outras.

Segundo o estudo “Morte por Suicídio entre Pessoas com Autismo: Para além do Zebrafish”, as taxas de suicídio em moças e mulheres (que tenham outros diagnósticos psiquiátricos, como ansiedade e transtornos do humor)são devastadoramente maiores do que em rapazes e homens.

Alguns fatores são apontados como risco para saúde mental das autistas, o que me leva a refletir: com a dificuldade dos profissionais para diagnosticarem mulheres, e que ainda apresentem outros transtornos, pode-se ver como resultado os riscos serem desapercebidos ocasionando maus diagnósticos, falta de intervenções ou até mesmo não diagnósticos.

A expectativa social que se cria para que as autistas mascarem estereotipias e stimming (stimming ou stim são movimentos corporais repetitivos que autoestimulam um ou mais sentidos de maneira regulada), agindo assim como se fossem típicas, é o maior fator de risco para a saúde mental dessas mulheres, pois isso gera ansiedade e diminuição de autoestima. Desrespeita-se, assim, um dos principais déficits do autismo que é de interação social e também as individualidades dos sujeitos.

A parte feminina do autismo é mais afetada por condições como Ansiedade, Depressão e Transtornos Alimentares, além de maior propensão a demonstrarem sofrimento psicológico, o que também podemos relacionar ao diagnóstico tardio. Os critérios diagnósticos para homens são mais claros, o que facilita que recebam seus laudos mais precocemente.

Outro fator importante a ser observado é que quanto mais tardio o diagnóstico, maiores são as propensões apresentadas para o suicídio. Se no Brasil ainda não falamos de autismo em mulheres adultas, o que sabemos do autismo em mulheres idosas?

Mulheres autistas desenvolvem algo que é chamado masking (mascaramento ou camuflagem) devido à maior pressão recebida de familiares e entorno para que sejam mais hábeis nas interações sociais. Então, para que consigam lidar com as pressões e tentar ser aceitas, elas mascaram os sintomas do autismo o que, ao longo do tempo, torna-se uma bomba pronta a explodir, cujo resultado é o aparecimento e agravamento de processos dolorosos mentais e físicos como fibromialgia, depressão, mutilações…

Não só no caso de profissionais de saúde, mas também daqueles que convivem com autistas, é bom observarem comportamentos que podem indicar pensamentos suicidas, não negar o que diz a pessoa, demonstrar empatia, e levar a sério qualquer relato desse tipo.

Também dentro da saúde mental das mulheres autistas, quero salientar que tanto a família, amigos, colegas de trabalho esperam que elas se adaptem e não o contrário, que se aumentam a pressão já vivida e as expectativas que se espera de que acertem sempre. Adaptações deveriam vir de forma empática, e não esperar que apenas a pessoa autista dê conta de tudo o que se espera dela, sem que isso lhe cause maiores sofrimentos.

A inclusão é muito citada em belos discursos, mas no geral não se dá conta que, para que ela se torne real é preciso flexibilização e adaptações “com” e “para” as pessoas autistas. Que os neurotípicosinseridos nesse processo não se eximam de suas responsabilidades com a desculpa de que o autismo delas é “levinho”.

Se você convive com uma mulher autista, recorde-se do que foi dito acima e utilize-se de maior sensibilidade com quem nos estudos se mostra o público mais afetado e vulnerável.

REFERÊNCIAS:

Death by Suicide Among People With Autism: Beyond Zebrafish

Mikle South, PhD1; Andreia P. Costa, PhD2; Carly McMorris, PhD3

Author Affiliations Article Information

JAMA Netw Open. 2021;4(1):e2034018. doi:10.1001/jamanetworkopen.2020.34018

On-line: https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2774853

Compartilhe

Comentários

Quantos autistas há nas universidades brasileiras? — Revista Autismo

Quantos autistas há nas universidades brasileiras?

/
Por Tiago Abreu
Os dados mais recentes do Censo da Educação Superior, promovido anualmente desde 1995 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), afirma que existem 1.532 autistas no ensino superior brasileiro. Apesar do número oficial, não existe uma forma exclusiva para que as instituições alcancem estes dados e, com isso, cada universidade utiliza seus próprios meios.
Revista Autismo nº 7

Revista Autismo número 7 — índice

Por Redação da Revista Autismo
Índice de conteúdo da Revista Autismo edição número 7 de dezembro/2019, janeiro e fevereiro/2020.