Por

Luciana Viegas

É autista, mãe do Luiz (autista) e da Elisa, professora da Rede Estadual de São Paulo. Ativista pela neurodiversidade e membro da ABRAÇA. Atua nas redes falando sobre a relação entre a luta antirracista e anticapacitista.

Twitter de Luciana Viegas

Quando me percebi autista?

28 de junho de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosEssa pergunta ecoou na minha cabeça nos primeiros dias que surgiu a suspeita de ser autista. 

Eu ouvi tantos “não” categóricos, tanta gente gabaritada e que “estuda” o tema falando que eu não era autista, afinal não tinha “cara” (nem cor)  de autista. 

Academia do Autismo

E eu acreditei! Acreditei que autismo não era pra mim, que eu era só um somatório de erros e falhas, e talvez não tivesse “dado certo” ainda.

Isso mexeu profundamente com a minha auto estima e com a minha segurança desde a infância. Apesar de sempre ter uma fala assertiva sobre os temas do meu hiperfoco, uma  conversa normal pra mim era, e continua sendo, cansativa por não conseguir estabelecer um contato direto.

Conversando com mais amigas pretas e autistas, percebi que todas passamos a vida tentando romper essa baixa estima, esse olhar tão ruim que nos dão (a autora bell hooks fala disso). Quando percebemos que somos autistas, toda nossa vida passa a fazer sentido.

A maioria das mulheres negras  que são autistas são auto diagnosticadas. Ninguém usa o autismo como muleta, assim sendo, reconhecer-se autista diz muito sobre a maneira de a Saúde nos tratar. À margem de todos, rotulam-nos a qualquer custo sob o diagnóstico de diversas  doenças mentais, somos submetidos a tratamentos invasivos e indevidos para conter crises que não são sensoriais. Somos dopados, vistos como casos perdidos, quando deveríamos ter a atenção de médicos com olhares mais cuidadosos, médicos com vontade e competência para romper a barreira de estereótipos racistas, da mulher negra vista como desequilibrada, forte e totalmente fora de si. 

Os casos são inúmeros, passei por muitos psicólogos que olharam pra mim e me trataram com desdém. Duvidavam e chegavam a dizer que eu estaria “inventando” sintomas. 

Quando eu falo em “empretecer” a luta autista, é sobre isso. Sobre ainda termos uma referência racial e heteronormativa, quase uma norma, pressupondo que para ser autista a pessoa deve ser branca.

Aqui, eu me dirijo a minhas irmãs e irmãos autistas, pretas e pretos: você não é um bocado de erros e falhas. Você não é desequilibrado(a) e fora de si. Você é autista e “prete”! A sociedade não foi feita pra nós, ela não quer incluir. Há muitos processos que precisamos romper. 

Sua palavra tem valor e você tem voz. 

A luta é coletiva e ela também é nossa. 

 

Compartilhe

Comentários

Coronavírus - Covid-19 - Revista Autismo

Como a comunidade do autismo reagiu ao coronavírus

Por Redação da Revista Autismo
Desde que o surto do coronavírus foi considerado, pela Organização…
Reunida — Revista Autismo

Nasce a Reunida

/
Por Fátima de Kwant
A primeira semana de 2020 trouxe uma notícia que movimentou as redes sociais dos seguidores de comunidades do autismo: o surgimento de um movimento pelos direitos dos autistas — Reunida, a Rede Unificada Nacional e Internacional pelos Direitos dos Autistas.
Revista Autismo nº 8, mar/abr/mai/2020

Revista Autismo número 8 — Índice

/
Por Redação da Revista Autismo
Revista Autismo edição número 8, mar/abr/mai/2020