5 de novembro de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutos

O ano era 1968. O Brasil viveu um dos momentos mais conturbados da história, desde o golpe, em 1964. A opressão aos movimentos sociais e culturais foi se intensificando. O ápice se deu com o AI-5. Foi quando Geraldo Vandré compôs a música Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores. Aliás, ela é também conhecida como, Caminhando. Mas, essa música foi censurada. Então, o cantor precisou sair do país, em exílio, para se proteger.

Por que dizer que não falei das flores?

Publicidade
1Pure/EndoPure

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

O verso descreve uma manifestação pacífica: ‘caminhando e cantando e seguindo a canção’. O compositor se refere a todos como iguais. Afinal, estão dentro de um mesmo contexto. E lutam por algo em comum: o direito à liberdade. Mas, atualmente, minha flor é outra. E, claro, ela só cresce no jardim da liberdade.

A flor da inclusão

Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Não podemos retroceder em nossa história pela busca da inclusão de Pessoas com Deficiência – PCDs. Temos de estar atentos ao Decreto 10502, do Governo Federal. Ele instituiu a “Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida”. Bonito? Não! A proposta do decreto parece atraente, ao oportunizar à família e ao educando o direito de escolher a alternativa educacional mais adequada às suas necessidades. Mas não é bem assim.

Desde a promulgação da Constituição Federal, de 1988, avançamos na inclusão. Foi o resultado de um conjunto de leis e de políticas inclusivas. Por exemplo, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e a  Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação InclusivaEssas leis reforçaram o direito de acesso e permanência na escola para todos os cidadãos. Ou seja, era garantido às pessoas com deficiência o atendimento educacional especializado, preferencialmente, na rede regular de ensino.

Sim, sabemos de onde viemos, o que reforça em nós, a certeza de para onde queremos ir.

Pode ser que alguns de nós, pessoas consideradas ‘normais’, ainda não saibamos conviver com a diferença do outro. Dessa maneira, ora adotamos uma postura de vitimá-los e ora de segregá-los. As escolas comuns ou especiais não conseguirão corrigir a deficiência do outro. A deficiência está na sociedade. E não na pessoa. Quando as limitações de alguém se encontram com barreiras, a deficiência surge. Isso por causa da perda que traz ao indivíduo a falta de condições adequadas para que ele expresse o máximo de seu potencial.

Vem com a gente

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

COMPARTILHAR:

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Governo produz relatório sigiloso sobre avaliação da deficiência

Adolescente autista está desaparecido há mais de 10 dias no Paraná

Assine a nossa Newsletter grátis
Clique aqui se você tem DISLEXIA (saiba mais aqui)