Por

Redação da Revista Autismo

""

Podcast Introvertendo discute o ato de falar em público

12 de abril de 2019

Tempo de Leitura: < 1 minuto

O podcast Introvertendo apresenta, nesta sexta-feira (12.abr.2019), um episódio chamado Falando em Público. O conteúdo se baseia na arte de falar em público, desde o estilo de palestras até as dificuldades de comunicação por parte de autistas.

Quem comanda o episódio é Tiago Abreu e Thaís Mösken. Os podcasters receberam a participação de Willian Chimura, programador, estudante de mestrado em Informática para Educação no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRGS) e também autista.

Acerca da importância do tema para autistas, Willian fez uma reflexão. “Assumindo que cada pessoa tenha seus interesses únicos na vida, e se dedica à eles – ainda mais considerando que Aspergers podem ter um hiperfoco duradouro em determinado tópico – a arte de falar em público pode ser a ponte necessária de passar a mensagem sobre o que você tem feito em eventos deste tipo, alcançando novas pessoas, gerando novos insights e descobrindo novas oportunidades”, disse.

Ouça:

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

/
Por Fernando Cotta
O Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab) é uma organização não-governamental (ONG), sem finalidades lucrativas, formado por mães, pais, autistas, seus familiares e amigos interessados no tema, todos voluntários que trabalham incessantemente pela melhoria da qualidade de vida das pessoas autistas e de suas famílias.

Mediador escolar: quem tem direito?

/
Por Lucelmo Lacerda
Mediador ou tutor são alguns dos inúmeros nomes dados ao profissional que tem por função acompanhar estudantes com autismo na sua escolarização. Diz a Lei Federal 12.764 que: “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista [...] terá direito a acompanhante especializado”. Alguns compreendem que o papel deste acompanhante é o de cuidador. Se assim for, só têm direito estudantes que não consigam, sem auxílio, ir ao banheiro, comer, ou executar outras atividades de igual natureza.. Mas como o acompanhante deve ser “especializado”, vou pressupor aqui que seu papel seja apoiar também o ensino (isso pode ser feito em vários modelos, que não explorarei neste texto).
ABA e o ensino da fala — Celso Goyos — Revista Autismo

ABA e o ensino da fala

/
Por Celso Goyos
A fala antecede a aquisição da linguagem complexa e é uma das características mais marcantes que o ser humano apresenta, sendo, para muitos, o divisor de águas entre seres humanos e infra-humanos. Quando, após a idade de 18 meses, a criança não apresenta a fala, ou a apresenta, mas de forma menos desenvolvida do que outras crianças de mesma idade e de nível sócio-econômico-cultural semelhante, é motivo de grande preocupação para os pais. Se a ausência, ou atraso, da fala persiste após os 18 meses, e a criança não apresenta prejuízo na estrutura auditiva e na estrutura da fala, tampouco apresenta prejuízos neurológicos significativos que justifiquem a condição, esta criança pode estar sob suspeita do diagnóstico de autismo. Este diagnóstico pode se confirmar, ou não, a depender das outras características definidoras apresentadas na condição do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).