Por

ONDA-Autismo

"Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas"

Instagram AutorYoutube Autor

ONDACAST – O podcast da ONDA-Autismo

6 de setembro de 2021

Tempo de Leitura: < 1 minuto

Por ONDA-Autismo

É um podcast que complementa nossa caminhada em busca de entendimento e inclusão do TEA na sociedade.  

A ideia do podcast foi da Raquel Abiahy, membra do Conselho de Autistas, com o intuito de tornar-se mais uma importante ferramenta em nosso meio para divulgação e desmistificação do TEA.  

Nesse sentido, ONDACAST trará muita informação, curiosidades, entretenimento e sempre esclarecerá questões relacionadas ao TEA, trazendo a participação de pessoas autistas, profissionais de diversas áreas, pais e mães de pessoas no espectro para derrubar alguns mitos, mudar paradigmas e ressaltar a neurodiversidade, sempre com muito respeito ao protagonismo e à representatividade das pessoas com transtorno do espectro do autismo.  

E, em nosso episódio de estreia, o tema foi justamente esse, protagonismo e representatividade. Qual a importância disso para a causa e quais os impactos que isso traz tanto no contexto social, como nas questões ligadas ao tratamento multiprofissional no transtorno do espectro autismo.   

Dessa forma, com o levante da voz dos autistas nos diversos meios, esperamos que cada vez mais os autistas possam assumir o seu lugar de direito, em suas famílias, escolas, comunidades de fé, empregos, associações e que possam colaborar com suas habilidades para a construção de uma sociedade que respeite e valorize as diferenças.  

Contamos com vocês para ouvirem, divulgarem esse projeto e compartilharem com o máximo de pessoas, principalmente com as de fora da nossa comunidade do Autismo. 

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Autismo x genética

Por Graciela Pignatari
Como a ciência explica hoje a ligação entre autismo e genética Graciela…

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.