Por

Wagner Yamuto

Pai do Gabriel (que tem autismo) e da Thata, casado com a Grazy Yamuto, fundador da Adoção Brasil, criador do app matraquinha, autor e um grande sonhador.

Meu filho não fala. E agora?

1 de dezembro de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosQuando minha esposa e eu adotamos o nosso filho, ele tinha 10 meses de vida e seu desenvolvimento estava de acordo com o esperado. Logo após completar 1 ano, notamos que ele não falava nenhuma palavra.

Começamos a investigar, fizemos audiometria, ressonâncias, eletroencefalograma, e chegamos ao ponto de fazer exames de cariótipo, que nada mais é do que uma foto dos nossos cromossomos.

Academia do Autismo

O tempo foi passando e ele completou 2 anos. Todos a nossa volta diziam que criança é assim mesmo: cada uma tem seu tempo. Sempre vinham com a história da amiga, da vizinha que tinha um afilhado que começou a falar com 4 anos e agora é um cientista. Discurso feito até pelo pediatra do meu filho.

Quando ele completou 2 anos e meio, resolvemos matriculá-lo em uma escolinha, pois ele vivera 10 meses em um abrigo e devia ter faltado estímulos. Eu estava tão certo e tão convicto desta teoria que nem me preocupei.

Ele começou na escolinha e, passados alguns dias, a psicomotricista solicitou uma reunião em que sugeriu que marcássemos uma consulta com um neuropediatra. Fizemos o sugerido, no relatório dela o Gabriel estava descrito exatamente como ele era, e seguimos em frente.

Até me lembro que, no dia da consulta, meu filho começou a uivar, imitando lobos que ele tinha visto em algum desenho recente. Minha esposa e eu demos risada.

A doutora nos chamou, conversou conosco por 10 minutos enquanto observava o Gabriel e disse:

Seu filho tem autismo.

Apenas choramos e foi assim até chegar em casa.

E seguindo a orientação do livro Autismo – Não espere, aja logo! saímos em busca de ajuda. Iniciamos terapias e começamos com a fono e a psicóloga.

Quando perguntamos para a fono se um dia ele viria a falar, ela respondeu com toda certeza do mundo:

– Não sei. Mas o fato de não falar, não significa que ele não possa se comunicar. A comunicação vai muito além da fala.

Com o passar do tempo, aprendemos a ouvi-lo e a traduzir suas tentativas de comunicação verbal.

Boacha é bolacha, piti é pizza, gogó é leite com achocolatado e batata ele sempre falou certinho.

Quando estamos junto com ele a comunicação é mais fácil, pois minha esposa e eu viramos seu tradutor. Mas, e quando não estamos, como ele poderia fazer?

Em terapia, ele aprendeu a usar a prancha de comunicação e passou a ter uma qualidade de vida muito melhor. Quando ele quer alguma coisa, basta pegar a figurinha e mostrar para quem estiver próximo dele.

Com o passar do tempo, algumas figuras se perderam, transportar o fichário para todos os lados começou a se tornar uma atividade complicada e começamos a usar aplicativos de comunicação alternativa. As duas propostas funcionam muito bem e podem ser até complementares.

Sei que sou suspeito para falar, mas super recomendo o aplicativo Matraquinha 😉

Dê voz a quem você ama!

Compartilhe

Comentários

Autismo na adolescência é tema de podcast de autistas — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Introvertendo

Autismo na adolescência é tema de podcast de autistas

/
Por Redação do Canal Autismo
O podcast Introvertendo, produzido por autistas adultos e com…