Por

Sabrina Muggiati

Idealizadora do programa "Eu Digo X" e mãe do Jorge, um jovem diagnosticado com autismo e síndrome do X-Frágil.

Facebook de Sabrina MuggiatiLinkedin de Sabrina MuggiatiInstagram de Sabrina MuggiatiCanal no Youtube de Sabrina Muggiati

Eu Digo X: ‘Fiz o exame genético para X Frágil, como interpretar o resultado?’

12 de junho de 2022Eu digo X: 'Parece autismo' - Canal Autismo / Revista Autismo / Instituto Buko KaesemodelInstituto Buko Kaesemodel

Tempo de Leitura: 2 minutos

A síndrome do X frágil afeta cerca de 1/4.000 homens e 1/8.000 mulheres. A pré-mutação é mais comum: a estimativa é 1 caso a cada 256 mulheres e 1 a cada 813 homens. O X frágil é herdado em um padrão ligado ao X e nem sempre causa sintomas clínicos em mulheres.

Academia do Autismo

O melhor método para o diagnóstico da SXF é a análise do DNA em amostra de sangue. O exame citogenético – cariótipo, não deve ser utilizado, pois, com frequência, apresenta resultados falso negativo e falso positivo. Hoje os testes indicados são o PCR (reação em cadeia da polimerase) e o Southerm blot, que mede o tamanho da repetição do CGG

Mas receber um exame e ainda compreender o seu resultado nem sempre é fácil. A tarefa de nos passar o resultado é do médico que requisitou. Mas vale também sabermos como interpretar os valores e o que significam.

Quando procuramos um profissional para a realização do estudo do gene FMR1 (fragile X messenger ribonucleoprotein 1) em indivíduos que não possuem a mutação, o número de cópias de sequencias CGG varia de 6 – 55 (resultado do exame). Na mutação completa, o indivíduo possui a Síndrome do X Frágil e o número de trincas CGG é superior a 200. O número entre 55 – 200 trincas CGG caracteriza a pré-mutação.

Exemplos de laudos de exames

(Clique para ampliar cada laudo de exemplo)

_

logo do Programa 'Eu Digo X', do Instituto Buko Kaesemodel - Canal Autismo / Revista Autismo

A coluna “Eu Digo X“, aqui no Canal Autismo / Revista Autismo, é uma parceria com o Instituto Buko Kaesemodel e seu programa EuDigoX.com.br.

Compartilhe

Comentários

É possível identificar o Autismo Infantil antes dos 2 anos de idade

Por Redação da Revista Autismo
por Walter Camargos Júnior Neste texto o autor, que…

Epidemia de autismo?

/
Por Redação da Revista Autismo
As mudanças nas taxas do autismo vêm sendo debatidas com freqüência. Recentemente pensou-se até estar havendo uma epidemia de autismo. Uma das idéias era a de que o uso de vacinas como a tríplice viral (SCR: sarampo/caxumba/rubéola) poderiam estar associadas a manifestação da síndrome. Esta idéia se difundiu e houve uma redução significativa de crianças vacinadas principalmente nos EUA e Europa, fazendo com que doenças que anteriormente estavam erradicadas voltassem a aparecer. Muitos estudos foram realizados e não ficou provada a associação das vacinas com o autismo. Os estudos apontam sim mudanças significativas nos conceitos de autismo e a eficiência dos métodos para se encontrar novos casos como responsáveis por este aumento (Fombonne, 2002).

Na intervenção fonoaudiológica é preciso avaliar e tratar o quanto antes

/
Por Redação da Revista Autismo
Nos casos de autismo ou transtornos do espectro do autismo (TEA), é de extrema importância a adequada avaliação e intervenção de linguagem, uma vez que é um aspecto notadamente comprometido. As alterações de linguagem influenciam no prognóstico destes quadros, podendo variar de acordo com a severidade do quadro. A adequada avaliação de linguagem auxiliará no diagnóstico e pro-verá um adequado planejamento de intervenção.