Por

Sophia Mendonça

Jornalista, escritora, apresentadora, pesquisadora, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de oito livros, mantém o site O Mundo Autista no portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista.

Facebook de Sophia MendonçaTwitter de Sophia MendonçaInstagram de Sophia MendonçaCanal no Youtube de Sophia Mendonça

Empatia no autismo

6 de outubro de 2021Empatia no autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Wikimedia CommonsImagem: MissLunaRose12/Reprodução

Tempo de Leitura: 2 minutosFelizmente, o entendimento sobre a empatia no autismo deixa para trás, a crença de que autistas não são empáticos. Ou seja, isso acontece, à medida em que se ampliam os estudos sobre aspectos cognitivos e emocionais sobre a empatia. Afinal, esse é um conceito de complexa definição científica no qual vários fatores se entrelaçam.

Entretanto, autistas tendem a ser autocentrados. Contudo, às vezes, há uma má interpretação sobre o que essa característica significa. Certamente, essa característica não quer dizer, necessariamente, que a pessoa seja egoísta ou egocêntrica. Ou, ainda, que não se importe com os outros. Ou qualquer outro juízo de valor.

Academia do Autismo

A empatia e o autista autocentrado

Quando se é autocentrado, até o seu sofrimento do outro, você enxerga a partir de sua própria percepção. Então, é essa percepção que, em diversos momentos, leva você a mover céus e terras para ajudar uma pessoa. Mesmo que ela não necessite ou precise desse auxílio. Ou ainda, sem que ela sequer tenha solicitado sua ajuda. Desse modo, você não compreende porque o ouro tem um modo diferente de vivenciar tal sentimento que provoca a dor. Às vezes, o outro tem uma maneira bem mais leve de encarar a situação. Entretanto, para o autista, se ele pensa que estaria sofrendo nessa mesma experiência do outro, nasce, instantaneamente , o desejo de levar a melhor solução à outra pessoa.

Nada é um mal ou um bem em si

Isso me levou à reflexão. Fiquei pensando se há benefícios em ter um funcionamento mais autocentrado. No contato com outras pessoas, essa característica é, muitas vezes, rotulada como algo negativo. Ao longo da minha vida, ouvia como uma crítica, a percepção de que eu era autocentrada. Em outras palavras, que seria algo a ser compensado por outras características. Por exemplo, as capacidades acadêmicas.

Ser autocentrada não é necessariamente algo ruim. Nada é um bem ou mal em si. O que define o impacto das características em nosso dia a dia, é como lidamos com elas.

Empatia no autismo e a ética

Precisamos ter ética com o outro. Se eu conheço e sei lidar com o meu funcionamento autocentrado, consigo ampliar ou até mesmo, otimizar o meu cuidado com o outro. Por muito tempo, acreditei que esse traço só faria mal aos outros. Como se eu não tivesse, sequer, a noção do que faz mal ao outro. Não. Não é bem assim.

Por ser autocentrada, eu sempre me autoanalisava. Ao mesmo tempo em que ser uma pessoa autocentrada me dificulta perceber algumas necessidades alheias, também me possibilita conhecer as minhas próprias necessidades. E a trabalhá-las para me tornar mais plena no encontro com o outro.

Compartilhe

Comentários

Editorial – edição 5

/
Por Francisco Paiva Jr.
Nosso número anterior foi um sucesso. Chegamos gratuitamente (graças à Jamef Transportadora e à Azul Cargo) a mais de 60 cidades no Brasil. E outras em Portugal (graças à TAP Cargo). Parcerias que nos ajudaram a levar informação, sem nenhum custo, a milhares de autistas, famílias e profissionais. Nosso muito obrigado! A reportagem de capa desta edição trata do mercado de trabalho para pessoas com autismo. Tentei abranger todo o espectro e procurar informação dos mais diversos tipos de modalidade de trabalho, de empregos comuns e cotas a emprego apoiado.

Revista Autismo número 5 — índice

/
Por Redação da Revista Autismo
Índice da Revista Autismo número 5, de junho de 2019, com notícias, artigos, reportagens, colunas e sessões, opinião, história em quadrinhos e muito mais.

Podcast Introvertendo conversa com mães diagnosticadas com autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O podcast Introvertendo liberou, nesta sexta-feira (10), um episódio comemorativo ao Dia das Mães. Os hosts Tiago Abreu e Yara Delgado (também mãe e autista) receberam Graziele Perrella e Geuvana Pedro Nogueira, mulheres diagnosticadas com autismo na vida adulta e também mães. As histórias contadas abordam diferentes percepções, desde a de Graziele, que possui um filho autista, quanto Geuvana, que tem filhos adultos neurotípicos.