Por

ONDA-Autismo

Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas

Instagram de ONDA-AutismoCanal no Youtube de ONDA-Autismo

A educação de pessoas adultas autistas

24 de janeiro de 2022

Tempo de Leitura: 3 minutos

Por Profª Claudia Moraes

Vice-presidenta da ONDA-Autismo; Professora; Pedagoga, Especialista na Educação na Perspectiva do Ensino Estruturado;  Mestranda em Educação com Especialização para Formação de Professores.

No Brasil sentimos uma grande lacuna na oferta de serviços educacionais e outras intervenções para adultos com TEA.

Academia do Autismo

Penso ser pelo fato de que ainda não conseguimos desconsiderar o autismo como sendo especificamente infantil, então não nos damos conta que  jovens e adultos continuam ao longo da vida necessitando de atenção. Se apenas ofertamos educação em período obrigatório, impedimos que pessoas adultas usufruam de atenção educativa.

É necessário e urgente que pensemos na ampliação do conceito de educação que contemple todas as etapas da vida do indivíduo, levando em conta que o autismo é de ordem crônica, e não se limita a infância.

Ninguém é impassível as mudanças proporcionadas por uma educação adequada, que entenda especificidades, respeite estilos de aprendizagem, contemple habilidades e ofereça possibilidades.

Ao pensarmos em bom programa educacional para adultos, ter em mente a promoção de: habilidades de comunicação, sociais, emocionais, cognitivas e também as vocacionais.  Investirmos de forma positiva em áreas como atenção, memória e funções executivas.

Proporcionar flexibilidade na formação, pode fazer com que adultos autistas desenvolvam melhor o controle de situações, encontrem soluções para reduzir o stress e a ansiedade, ser capaz de melhor generalizar, desenvolver ou aumentar empatia, lidar com as emoções, ter melhor autoestima, entre outros.

Em relação a adaptações curriculares,  o que é algo ainda difícil para educadores que lidam com pessoas autistas adultas,  propor conteúdos com bastante estrutura e pistas visuais, respeitar o ritmo de aprendizagem, eleger prioridades, sequenciar,  respeitar os gostos e a vontade do aluno quanto a conteúdos (pode ser que o aluno já tenha visto  o conteúdo proposto repetidamente ou foge aos seus centros de interesse, aí ele não se anima, ou até mesmo se nega a cumprir as atividades)  e  por fim, é  imprescindível que o currículo proposto seja adequado ao nível de funcionamento da pessoa com TEA.

Educadores busquem aprimorar e obter formação para o atendimento educacional de adultos, e não pensar que conhecimentos relativos ao desenvolvimento infantil sejam adequados para atender aos de idade mais avançada.

Também vemos ser importante perceber que muitos alunos com TEA podem estar mais aptos para lidar com questões de aprendizagem aos 20 anos, do que estavam com 10; sendo que ao chegarem a idade adulta, muitos deles possam ter aprendido a lidar melhor com certos comportamentos,  a  gerir  conflitos relativos ao stress e ansiedade, possam lidar melhor com as dificuldades relativas  aos interesses restritos.

Na vida e na educação é essencial termos objetivos, para a educar adultos com TEA, os objetivos devem ser voltados as competências, identificar os interesses pessoais e os vocacionais, priorizar habilidades e aptidões para orientar os alunos em formações acadêmicas e profissionais, visando também a sua empregabilidade.

Autistas apresentam potenciais que por vezes nem sequer imaginamos, isso se dá por darmos mais foco as limitações do que as possibilidades, a nossa visão limitada aliada por vezes a nossa inércia, faz com que desprezemos imensas capacidades.

Arregacemos as mangas e lutemos para que todos possam ter acesso a educação ao longo da vida e ao mercado de trabalho, não apenas os considerados “ grau leve” ou os que usufruem de privilégios econômicos. Para sermos uma sociedade mais justa a educação deve realmente ser direito de todos.

Que o trabalho e contribuição dos pais sejam valorizados e reconhecidos, abrindo espaço para parceria entre educadores e pais.  Antes de planejar programas, adaptar e promover ações, consultar os pais ou outros membros da família que sejam importantes para o desenvolvimento do adulto com TEA.

Investir na educação de pessoas adultas com autismo é investir na capacidade humana de se desenvolver ao longo da vida; todos podem aprender e seguir no aprendizado, adquirir novas habilidades e se tornarem seres humanos mais completos, mais produtivos e mais felizes!

Compartilhe

Comentários

Neurodiversidade na IBM Brasil — Canal Autismo / Revista Autismo

Neurodiversidade na IBM Brasil

/
Por Selma Sueli Silva
No dia 12 de abril deste ano, a IBM Brasil realizou o evento…
Rio Branco, no Acre, terá semana de conscientização sobre o autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / G1

Rio Branco, no Acre, terá semana de conscientização sobre o autismo

/
Por Redação do Canal Autismo
Tião Bocalom, prefeito de Rio Branco, no Acre, sancionou a lei…
Adolescente autista lança primeiro livro — Canal Autismo / Revista Autismo

Adolescente autista lança primeiro livro

/
Por Redação do Canal Autismo
Pedro Henrique, de 17 anos, está iniciando sua trajetória como…