Por

Wagner Yamuto

Pai do Gabriel (que tem autismo) e da Thata, casado com a Grazy Yamuto, fundador da Adoção Brasil, criador do app matraquinha, autor e um grande sonhador.

Autismo na escola

15 de dezembro de 2020

Tempo de Leitura: 3 minutos

coluna: Matraquinha

O período escolar é uma das principais etapas de nossas vidas e o que dizer quando se trata dos nossos filhos?

Publicidade
Tismoo Biotech

As expectativas que criamos são infinitamente superiores ao que poderíamos imaginar para nós mesmos. Muitas vezes,  esperamos que aquelas crianças que têm 2 anos, tornem-se cientistas da NASA, quando adultos.

Pensamos em um esporte como natação, que dizem ser um dos mais completos, e cursos de idiomas (para os dias atuais, apenas o inglês não é mais suficiente).

Até que chega o momento em que nos damos conta de que alguma coisa não está indo muito bem. Depois de muito refletir, chegamos à conclusão de que deve ser falta de estímulo. Entramos em lojas de brinquedos educativos e compramos aqueles aramados para trabalhar a coordenação, peças com letras, números, formas geométricas etc.

Começamos os trabalhos no mesmo dia, com as horas das atividades em planilhas, afinal de contas sem esforço não teremos a recompensa. Vamos lá!

Em um belo dia, a escola marca uma reunião com a psicomotricista que nos relata as dificuldades percebidas em nosso filho e no final da conversa nos entrega um relatório que deveria ser levado a um neuropediatra.

Fizemos o sugerido e em 10 minutos de conversa com a neuropediatra, nosso filho foi diagnosticado com autismo.

Todas aquelas expectativas se foram com as lágrimas que escorriam em nossos rostos. Ficamos um tempo sem saber o que fazer, mas a vida já nos tinha mostrado a que veio alguns anos antes.

Enxugamos o rosto e definimos como principal objetivo a qualidade de vida do nosso filho. Dentro de todas as dificuldades que o autismo apresenta, nossa meta é que ele consiga e possa ser feliz.

Mesmo com pouca idade, ele já tinha passado por três escolas e todas vieram com a justificativa de que não poderiam atender às suas necessidades especiais. As mesmas escolas, que nos receberam de braços abertos e nos afirmaram que ele teria todas as ferramentas possíveis para um desenvolvimento completo e pleno.

Parece familiar este discurso?

Pois é, infelizmente é familiar para muitos de nós.

Certa vez, a diretora da escola nos chamou e explicou que ele deveria refazer a pré-escola, pois ainda não tinha habilidades suficientes para acompanhar os demais colegas e isso poderia ser muito prejudicial para sua autoestima.

Minha esposa e eu concordamos e ainda fomos avisados de que ele não teria a formatura com a turminha, pois não faria sentido, uma vez que o ano seguinte continuaria na mesma série.

Na semana seguinte, fomos convocados para outra reunião e recebemos o aviso de que ele deveria ir para o primeiro ano do fundamental por causa da idade.

Com a mesma tranquilidade que recebemos o primeiro aviso, recebemos este e já que o ano seguinte seria no primeiro ano, nada mais justo do que ele participar do encerramento deste ciclo junto com os demais amiguinhos e participar da formatura.

A diretora arregalou os olhos e disse:

Mas ele não fez os ensaios com a turma e não dá tempo para isso.

Nós respondemos:

OK, mas nada impede que ele suba ao palco vestido com a beca e pegue seu canudo, e isso ele vai fazer.

Ela ainda contestou, dizendo que o evento era muito longo e começou a lista de razões para não deixá-lo participar.

Nós fomos enfáticos e dissemos que ele não precisava dançar, recitar poemas etc. 

Depois de muitos argumentos de todos os lados, a diretora entendeu que não estávamos dispostos a privar o Gabriel daquela experiência e houve apenas uma condição: ele precisaria de um acompanhante na coxia do teatro.

No dia da formatura chegamos no horário combinado e ficamos aguardando nos chamarem para irmos até a coxia, vestir a beca e esperar o momento de brilhar.

Os amiguinhos começaram a ser chamados e quando subiam ao palco, recitavam um poema bonitinho e chamavam alguém da família para subir ao palco e concluir a cerimônia.

Quando o terceiro amiguinho subiu, chamei a professora e falei que o Gabriel também chamaria alguém especial. Ela ficou branca, e desembestou a falar, argumentando que ele não tinha ensaiado, não conseguiria, e que ele não era capaz.

Até que alguém anunciou o Gabriel, peguei na mão dele, pegamos o canudo e a mestre de cerimônia pediu para ele se sentar. Respirei fundo, levei-o até o microfone e nesse momento foi possível perceber a tensão de todos os envolvidos.

Cochichei no seu ouvido e segundos depois ele falou “mama”.

Minha esposa começou a chorar, eu comecei a chorar e quando notei todos estavam extremamente emocionados. Fomos aplaudidos e o resto é história.

Lembre-se de que a sua criança é capaz e nunca deixe o autismo ser uma sentença em suas vidas.

Compartilhe

Autistas da região norte do Brasil falam sobre experiências e dificuldade de diagnóstico em podcast — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Introvertendo
Tommy Hilfiger lança linha adaptada para pessoas com deficiência no Brasil — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Divulgação

Tommy Hilfiger lança linha adaptada para pessoas com deficiência no Brasil

/
Por Redação do Canal Autismo
A Tommy Hilfiger, uma das marcas mais populares de roupas do…