Por

Redação do Canal Autismo

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Facebook de Redação do Canal AutismoLinkedin de Redação do Canal AutismoInstagram de Redação do Canal AutismoCanal no Youtube de Redação do Canal Autismo

Fonoaudióloga explica comunicação alternativa em podcast de autismo

26 de outubro de 2021Fonoaudióloga explica comunicação alternativa em podcast de autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / IntrovertendoImagem: Arquivo pessoal

Tempo de Leitura: < 1 minutoLeiza Leite é fonoaudióloga e possui cerca de 10 anos de trabalho no campo da saúde em Taubaté, no interior de São Paulo. Em entrevista ao podcast Introvertendo, no episódio “Comunicação Alternativa e o Problema da Comunicação Facilitada”, lançado na última sexta-feira (22), ela explicou o que é comunicação alternativa e aumentativa (CAA).

“Todos nós usamos outras formas de comunicação além da verbal. Qualquer outra forma de comunicação, seja o olhar, o gesto, expressão facial, tudo isso já é uma outra forma, já é uma comunicação alternativa que não seja a fala. Porém existe uma forma das pessoas se comunicarem através de figuras, através de desenhos, através de sistemas de comunicação e isso é que se dá o nome de sistema de comunicação alternativa”, disse ela.

Publicidade
Academia do Autismo

A fonoaudióloga também explicou que a CAA pode ser entendida como uma tecnologia assistiva. “Tudo o que você usa de suporte, tanto para locomoção como pra fala, tudo é considerada uma tecnologia assistiva. E a comunicação alternativa é um tipo de tecnologia assistiva. Existem recursos tecnológicos de todas as formas hoje em dia, inclusive gratuitos, que você consegue baixar em celular, em tablets pra ter uma prancha de comunicação ou ter figuras que inclusive você aperta e você tem o recurso da fala”, destacou.

Ouça o episódio completo:

Compartilhe

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.

Palavra mágica

/
Por Wagner Yamuto

Esta é a frase mágica que utilizamos quando o Gabriel tenta uma interação social com outras pessoas.

As terapias fazem parte de nossas vidas desde 2011 e, de vez em quando, ele tenta interagir com o mundo que está à sua volta. Por outro lado, ele não sabe muito bem como fazer esta aproximação e, na maior parte das vezes, a reação da outra parte acaba não sendo tão amigável.