Por

Redação do Canal Autismo

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Facebook de Redação do Canal AutismoLinkedin de Redação do Canal AutismoInstagram de Redação do Canal AutismoCanal no Youtube de Redação do Canal Autismo

‘É muito divertido e me instiga muito’, diz dentista autista sobre profissão

30 de setembro de 2021'É muito divertido e me instiga muito', diz dentista autista sobre profissão — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / G1Imagem: Arquivo pessoal/Reprodução

Tempo de Leitura: < 1 minutoAos 27 anos, Jaqueline do Nascimento está se preparando para concorrer a uma vaga de doutorado na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Ela é autista e mora em Assaré, no interior do Ceará.

“Eu recebi uma bolsa para um curso a longa distância de farmacologia na Harvard Medical School, então, eu já fiz esse curso e atualmente eu estou me preparando, junto a alguns mentores que estão me auxiliando — tanto dos EUA quanto brasileiros — para o doutorado na área de prótese. Um dos meus objetivos é que seja na Harvard School of Dental Medicine, no ano de 2022”, disse ela ao G1.

Publicidade
Academia do Autismo

Ela se formou em Odontologia há cerca de dois anos, depois de ter cursado em uma instituição privada por meio de vaga aberta pelo Programa Universidade para Todos (Prouni). Jaqueline se afirma satisfeita com a profissão. “Eu não vejo o fato de ser dentista como algo trabalhoso, que seja árduo, cansativo. Muito pelo contrário, é muito divertido e me instiga muito, porque é a oportunidade de colocar meu conhecimento em prática na vida das pessoas que me procuram”, afirmou.

Compartilhe

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.

Palavra mágica

/
Por Wagner Yamuto

Esta é a frase mágica que utilizamos quando o Gabriel tenta uma interação social com outras pessoas.

As terapias fazem parte de nossas vidas desde 2011 e, de vez em quando, ele tenta interagir com o mundo que está à sua volta. Por outro lado, ele não sabe muito bem como fazer esta aproximação e, na maior parte das vezes, a reação da outra parte acaba não sendo tão amigável.