Por

ONDA-Autismo

Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas

Instagram de ONDA-AutismoCanal no Youtube de ONDA-Autismo

TEAcolher: autoimagem e autocuidado

23 de agosto de 2021TEAcolher: autoimagem e autocuidado — Canal Autismo / Revista Autismo

Tempo de Leitura: 2 minutos

Por Carla Mandolesi

Representante nacional do TEAcolher, grupo de mães da Onda-Autismo, formada em english as a second language na Texas University, bacharela em relações internacionais, especialista em política e estratégia, mestranda em ciência da educação.

Publicidade
Tismoo Biotech

Seja honesta, qual foi a última vez que se olhou no espelho, apaixonada por você?

Sabe aquele olhar que você nem procura defeito, pois sabe que não tem, pois pensou em cada detalhe do que usava.
Pensou no cabelo, na lingerie , na roupa, na biju, no perfume, no hidratante… lembrou?

Infelizmente , certamente todo esse cuidado foi  buscando conquistar alguém.

Planejou, em sua mente, cada detalhe de como seria aquele encontro, queria se sentir no seu máximo poder!

Só que pela razão errada. Ele, e não você!

O nosso cuidado deve ser voltado para nós mesmas, da escolha do batom ao detalhe do sapato.

Sabe aquele salto que deixa suas pernas desenhadas? Ele só deve ser usado se não lhe causar dor, se o tal formato for bonito para você!

Caso contrário, desapegue!  Mas não é necessário substituir o salto agulha por um ortopédico, tá?
O autocuidado possui uma relação direta com bem-estar, o que para algumas pessoas é um grupo de amigos e vinhos, para outras é chocolate, um bom filme e uma cama confortável!

Uma coisa é fato, quando não estamos bem por dentro, isso impacta no exterior!

O curioso é que, quando não estamos bem por dentro, cuidar da nossa imagem, nos sentir mais bonitas, ajuda a organizar as insatisfações e as dores internas, além de mudar a forma como nos veem, nos olham, nos tratam e nos valorizam.

Não posso exigir do outro aquilo que não faço comigo!

Respeite seus sentimentos, entenda o que está sentindo, valide cada sentimento e se liberte dele, se perdoe!

Chore se preciso, mas faça disso um ciclo de início,  meio e fim! Sendo o fim, você ressurgindo das cinzas e, como uma fênix, ressurja ainda mais forte, confiante e bela.
Não é preciso muito, uma unha feita, uma hidratação com itens caseiros e baratos,  um batom, um corte de cabelo, fazer as sobrancelhas…
Se olhe no espelho, qual imagem vê ali? É essa a impressão que quer que o mundo tenha de você?

Se a sua resposta for não, então comece a mudança, doe aquelas roupas que não usa, que só ocupam espaço no guarda-roupa, ainda esperando perder os quilos do Natal passado. Jogue fora as bijuterias quebradas, itens furados. Renove-se, crie a imagem do que deseja representar, de como deseja que o mundo a reconheça!
Não caia na história de que um livro não se compra pela capa, pois podemos até não comprar o modelo com a capa mais bonita, mas certamente, é o que nos chama mais atenção, desperta os melhores interesses e maiores expectativas!

Determine quem quer ser, como quer ser vista,  inicie o movimento para ser essa mulher, a que deseja, a que merece ser!

Compartilhe

Autismo x genética

Por Graciela Pignatari
Como a ciência explica hoje a ligação entre autismo e genética Graciela…

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.