Por

Selma Sueli Silva

Jornalista e relações públicas, diagnosticada com autismo, autora dos livros "Minha Vida de Trás pra Frente", "Dez Anos Depois", "Camaleônicos" e "Autismo no Feminino", mantém o site "O Mundo Autista" no Portal UAI e o canal do YouTube "Mundo Autista".

Facebook de Selma Sueli SilvaTwitter de Selma Sueli SilvaInstagram de Selma Sueli SilvaCanal no Youtube de Selma Sueli Silva

Pra não dizer que não falei das flores

5 de novembro de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosO ano era 1968. O Brasil viveu um dos momentos mais conturbados da história, desde o golpe, em 1964. A opressão aos movimentos sociais e culturais foi se intensificando. O ápice se deu com o AI-5. Foi quando Geraldo Vandré compôs a música Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores. Aliás, ela é também conhecida como, Caminhando. Mas, essa música foi censurada. Então, o cantor precisou sair do país, em exílio, para se proteger.

Por que dizer que não falei das flores?

Tismoo Biotech

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

O verso descreve uma manifestação pacífica: ‘caminhando e cantando e seguindo a canção’. O compositor se refere a todos como iguais. Afinal, estão dentro de um mesmo contexto. E lutam por algo em comum: o direito à liberdade. Mas, atualmente, minha flor é outra. E, claro, ela só cresce no jardim da liberdade.

A flor da inclusão

Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Não podemos retroceder em nossa história pela busca da inclusão de Pessoas com Deficiência – PCDs. Temos de estar atentos ao Decreto 10502, do Governo Federal. Ele instituiu a “Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida”. Bonito? Não! A proposta do decreto parece atraente, ao oportunizar à família e ao educando o direito de escolher a alternativa educacional mais adequada às suas necessidades. Mas não é bem assim.

Desde a promulgação da Constituição Federal, de 1988, avançamos na inclusão. Foi o resultado de um conjunto de leis e de políticas inclusivas. Por exemplo, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e a  Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação InclusivaEssas leis reforçaram o direito de acesso e permanência na escola para todos os cidadãos. Ou seja, era garantido às pessoas com deficiência o atendimento educacional especializado, preferencialmente, na rede regular de ensino.

Sim, sabemos de onde viemos, o que reforça em nós, a certeza de para onde queremos ir.

Pode ser que alguns de nós, pessoas consideradas ‘normais’, ainda não saibamos conviver com a diferença do outro. Dessa maneira, ora adotamos uma postura de vitimá-los e ora de segregá-los. As escolas comuns ou especiais não conseguirão corrigir a deficiência do outro. A deficiência está na sociedade. E não na pessoa. Quando as limitações de alguém se encontram com barreiras, a deficiência surge. Isso por causa da perda que traz ao indivíduo a falta de condições adequadas para que ele expresse o máximo de seu potencial.

Vem com a gente

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Compartilhe

Comentários

Podcast Introvertendo discute suicídio em autistas adultos

/
Por Redação da Revista Autismo
O podcast Introvertendo liberou, nesta sexta-feira (6), um episódio relacionado ao Setembro Amarelo. Com base no mês de prevenção ao suicídio, os podcasters Tiago Abreu, Paulo Alarcón e Otavio Crosara conversaram sobre ideação suicida e suicídio em autistas adultos. A discussão envolve artigos e pesquisas sobre o tema, a depressão e também alguns casos na cultura popular.