Por

Fabio Cordeiro, o "Aspie Sincero"

"Presidente da ONDA-Autismo e membro do Conselho de Autistas; ativista; administrador da página @aspiesincero no Instagram, servidor público federal, palestrante e escritor."

Instagram Autor

Meme Sincero: A desconstrução do preconceito

3 de outubro de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutosHoje o texto é autorreflexivo. Para vivermos uma coletividade mais inclusiva e nos tornarmos melhores, não apenas individualmente como também em comunidade, é primordial que comecemos por nós mesmos a transformação que almejamos.

Precisamos entender e aceitar que estamos inseridos em uma estrutura preconceituosa enquanto sociedade, pois fomos criados em um contexto de exclusão e segregação.

Historicamente, as minorias e as pessoas divergentes, que fugiam do que era considerado como padrão, eram excluídas, subjulgadas ou exterminadas, e, ao longo do tempo, houve um esforço no sentido de fazer parecer que tal absurdo seria aceitável.

Por muito tempo, tivemos normoses em nosso curso, sendo confundido com o normal. Pessoas escravizadas, açoitadas e rebaixadas por causa do gênero, exterminadas pela sua etnia, trancadas e sendo torturadas por ter alguma deficiência são apenas alguns dos muitos exemplos que podemos citar.

Mas os tempos são outros! Será?

Mais do que uma afirmação, essa expressão é um desejo, pois ainda não se pode afirmar que de fato isso seja uma verdade. Atualmente ainda vemos muitos resquícios dessas barbáries citadas e não podemos mais admitir ou inventar desculpas para isso.

Não pode o costume, o estrutural ser uma venda que nos fecha os olhos para a verdadeira evolução da humanização em nosso meio. Não dá pra continuar discriminando com o subterfúgio de que sempre foi assim, de que não teve intenção ou de que não sabia.

Mesmo sem intenção, somos capazes de machucar. Se não sabemos, precisamos de humildade para aprender, com nossos erros, com os dos outros e com ouvidos receptivos para quem está disposto a nos ensinar. Menos desculpas e mais flexibilidade quando ofendemos, discriminamos ou somos preconceituosos.

Não nos justifiquemos, escutemos! Não somos os seres soberanos que decidimos quando algo afeta alguém. Quem sabe o quanto dói é o ser que foi ferido e não quem atingiu.

E, se sempre foi assim, então sempre esteve errado, e é tempo de mudança, tempo de crescer. Não espere que alguma das causas passíveis de sofrer com o preconceito e a discriminação atinja você ou alguém próximo para que você lute contra, pois essa é uma causa de todos. Não ache que apenas as minorias sofrem com essas questões, porque a verdade é que toda a sociedade perde quando as diferenças não são respeitadas. O normal é ser diferente e ainda bem que é assim.

Por fim, repetindo o que disse no início, vamos começar por nós a mudança que queremos. Não espere aceitação para um filho seu se você não aceita o filho do próximo. Não existem dois tipos de preconceito. Estamos todos na mesma causa, e a intolerância contra um é a intolerância contra todos, pois, ao diminuir outro ser humano, estamos nos diminuindo enquanto humanidade.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Autismo e outros transtornos do espectro autista

Por Redação da Revista Autismo
O Autismo Infantil foi descrito inicialmente por Kanner em 1943…

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por esta razão o tratamento deve ser contínuo e envolver uma equipe multidisciplinar (Schwartzman, 2003). A eficácia de um tratamento depende da experiência e do conhecimento dos profissionais sobre o autismo e, principalmente, de sua habilidade de trabalhar em equipe e com a família (Bosa, 2006).