Por

Redação do Canal Autismo

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Facebook de Redação do Canal AutismoLinkedin de Redação do Canal AutismoInstagram de Redação do Canal AutismoCanal no Youtube de Redação do Canal Autismo

Estudo analisa comunicação de autistas na pandemia

4 de janeiro de 2022

Tempo de Leitura: 2 minutos

Um estudo sobre a comunicação de autistas na pandemia foi publicado na revista científica Culturas Midiáticas. O artigo científico “Acessibilidade Afetiva por e para Autistas: ativismo na pandemia da COVID-19” reflete sobre a interação digital de autistas antes e durante a pandemia da COVID-19. A pesquisa foi conduzida por Sophia Mendonça, autista e produtora de conteúdo, e Sônia Pessoa, ambas do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Acessibilidade e Vulnerabilidades da Universidade Federal de Minas Gerais (Afetos/UFMG). Além disso, Sônia é uma das coordenadoras do grupo.

Academia do Autismo

O texto integra o dossiê temático “Comunicação, acessibilidade e representação de pessoas com deficiência“. O artigo na íntegra pode ser acessado aqui.

Depoimentos de autistas

As autoras trazem à discussão a construção de textualidades nas plataformas digitais. Tudo por meio do diálogo com depoimentos de autistas, além do ativismo nessas plataformas. Dessa forma, a coleta engloba durante e anteriormente ao período inicial da pandemia.

A publicação tem inspiração etnográfica. Assim, o trabalho visa à articulação de um diálogo entre a pesquisadora autista e os perfis observados. A base é a acessibilidade afetiva para e por pessoas autistas durante a pandemia da Covid-19.

Considerações do artigo

Por um lado, o cerne do desafio da vivência de pessoas autistas em sociedade está relacionada a questões de comunicação e interação social. Por outro lado, entendemos o encontro, bem como o acesso à produção de informação e conhecimento, como vitais para a garantia de direitos como os previstos na Lei Brasileira de Inclusão, o que abrange uma gama de questões relevantes, especialmente no que diz respeito ao bem-estar pessoal e social dos sujeitos.

A presença de pessoas do TEA nas redes sociais digitais e não apenas de seus familiares tem se tornado fundamental tanto do ponto de vista da satisfação de suas próprias necessidades singulares de interação e de busca por compartilhar experiências de acessibilidade afetiva ou a falta delas, mas também pela importância de tornar pública uma demanda que viria afetar e mobilizar mais pessoas que possam participar, demodo efetivo, em suas atitudes cotidianas, de processos tão complexos.

Inquietações

Desse modo, entendemos que, apesar destes cenários promissores para a comunicação e a acessibilidade afetiva para pessoas autistas, os fragmentos de textualidades aqui apresentados apontam pistaspara espaços de respiro entre a fobia social para sujeitos no TEA e um limbo que se configura há anos nas interações sociais de pessoas com deficiência e a efetivação de seus direitos. Se autistas hoje se apropriam das plataformas digitais para dar a ver e a ouvir suas próprias vozes, dispensando a mediação de familiares e profissionais, ainda há uma longa caminhada entre os ambientes digitais e o mundo da vida social em presença. Antes de apresentarmos conclusões, gostaríamos de apresentar inquietações para um refletir que, talvez, possa partir das reflexões da pesquisa e alcançar relações menos intolerantes e mais acolhedoras às pessoas autistas.

Compartilhe

Comentários

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

10º Prêmio Orgulho Autista 2014/2015 revela vencedores

/
Por Redação da Revista Autismo
"Da forma como está, não há do que se orgulhar, mas todo pai…

Universidade Federal e Revista Autismo fazem bate-papo ao vivo com professores de pós-graduação

/
Por Redação da Revista Autismo
A UFSCar em parceria com a Revista Autismo realizou dia 21 de janeiro de 2014 um bate-papo ao vivo através do perfil da revista no Facebook. A proposta partiu do Laboratório de Aprendizagem Humana, Multimídia Interativa e Ensino Informatizado (Lahmiei) da universidade federal, que convidou três professores do novo curso de pós-graduação em Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo, que se inicia neste ano (2014) — Celso Goyos, Valéria Mendes e Ana Arantes.