Por

ONDA-Autismo

"Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas"

Instagram AutorYoutube Autor

ONDA-AUTISMO lança campanha contra o abuso sexual de crianças e adolescentes com deficiência

4 de outubro de 2021

Tempo de Leitura: 2 minutos

Por ONDA-Autismo

Ação prevê o reedição do livro “Não me toca, seu boboca!”, com posfácio informativo para adultos

Você sabia que a cada hora, quatro crianças ou adolescentes são sexualmente violentados no Brasil? Entre 2011 e 2018, o Ministério da Saúde recebeu mais de 150 mil notificações de abuso, sendo que ¾ foram praticados contra menores de 18 anos. Neste contexto, um estudo americano, realizado em Nebraska (2000) relevou que uma pessoa com deficiência é quatro vezes mais propensa a sofrer violência sexual e, conforme apontou uma pesquisa mais recente (Suécia/2018), mulheres autistas têm risco triplicado de abusos na infância.

Estes dados são apresentados pelo especialista em Psiquiatria da Infância, Dr. Arthur Melo e Kummer, em posfácio informativo destinado à leitura de pais ou responsáveis na reedição especial do livro infantil “Não me toca, seu boboca!”, da escritora Andrea Viviana Taubman. A iniciativa faz parte da campanha nacional “TEAmparar”, realizada neste mês de outubro, pela Organização Neurodiversa para o Direito dos Autistas (Onda-Autismo).

“O abuso sexual contra crianças autistas é um dos maiores motivos de traumas que, por vezes, se tornam intransponíveis, culminando em suicídio. Não podemos deixar com que esse seja um assunto tabu em nossa comunidade, mantendo-o na invisibilidade”, explica o presidente da Onda-Autismo, Fábio Cordeiro.

 

TEAmparar 

O idealizador da campanha nacional é o membro voluntário do Conselho de Autistas da Onda-Autismo, Matheus Henrique Serafim da Silva. Foi dele a sugestão de que um tema tão difícil de ser compreendido por crianças e adolescentes seja tratado de uma forma leve, através da personagem Ritoca, do livro “Não me toca, seu boboca!” (Editora Aletria) e do menino de “O menino só”, (Editora Zit), ambos livros da escritora Andrea Viviana Taubman.

“Cabe destacar que o foco do projeto é a conscientização do público infanto-juvenil, seus familiares, terapeutas, professores e demais interessados na prevenção ou identificação dos sinais de abuso. Também pretendemos sensibilizar as pessoas para que façam o exercício de se colocarem no lugar do outro e de enxergarem por de trás de mitos naturalizados e preconceitos enraizados, conhecendo melhor o Transtorno do Espectro Autista”, comenta Cordeiro.

Nesta reedição, serão lançados 500 exemplares do livro “Não me toca, seu boboca!”, com o posfácio informativo. Também está agendada para a noite de 12 de outubro, no instagram @ondaautismo uma live com a escritora Andrea Viviana Taubman, o idealizador do projeto, Matheus Henrique Serafim da Silva e o presidente da entidade, Fábio Cordeiro.

Compartilhe

Comentários

Grupo Método

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Autismo e outros transtornos do espectro autista

Por Redação da Revista Autismo
O Autismo Infantil foi descrito inicialmente por Kanner em 1943…

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por esta razão o tratamento deve ser contínuo e envolver uma equipe multidisciplinar (Schwartzman, 2003). A eficácia de um tratamento depende da experiência e do conhecimento dos profissionais sobre o autismo e, principalmente, de sua habilidade de trabalhar em equipe e com a família (Bosa, 2006).