Por

Sophia Mendonça

"Jornalista, escritora, apresentadora, cineasta, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de sete livros, mantém o site O Mundo Autista no Portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

A deficiência intelectual e as altas habilidades no TEA

30 de setembro de 2021A deficiência intelectual e as altas habilidades no TEA — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Wikimedia CommonsImagem: MissLunaRose12/Reprodução

Tempo de Leitura: 2 minutosA deficiência intelectual ou as altas habilidades podem coexistir no Transtorno do Espectro Autista (TEA), embora nenhuma delas seja critério diagnóstico para o autismo. Entretanto, eu sempre me incomodei com a fala de alguns autistas sobre a própria superdotação.

Academia do Autismo

É que esses autistas, geralmente, possuem menor demanda de suporte. Dessa maneira, soava desnecessário enfatizar tal característica. Além disso, a ênfase era vista como um fator que hierarquizava pessoas. Ou seja, pessoas acima ou abaixo uma das outras.

O discurso da deficiência intelectual e as altas habilidades

O senso comum sobre deficiência intelectual e as altas habilidades mexe comigo. Certamente, devido à de minha experiência. Desde a infância, minha inteligência tem sido ressaltada. Mas isso me trouxe muitos sofrimentos por causa da minha percepção aguçada diante dos fatos e situações.

Fica claro que o mais efetivo é o que fazemos com nossa inteligência. Afinal, a inteligência é um conceito de complexa definição científica. Então, o uso das habilidades deve ser funcional, o que resulta em uma pessoa mais feliz.

Teste de QI, vale a pena fazer?

Recebi, há pouco tempo, a devolutiva de meu mais recente teste de QI . A avaliação é baseada na Escala Welscher de Inteligência. Assim, ela se divide entre duas grandes áreas: O QI verbal, focado em conhecimento adquirido e processos verbais. E o QI de execução, mais ligado ao raciocínio lógico e resolução de problemas.

Dessa forma, descobri alta discrepância entre esses dois principais aspectos da medição do QI: estou entre os 3% da população que tem essa expressiva diferença entre esses dois aspectos do QI. Por exemplo, minhas habilidades ligadas a aspectos da linguagem e comunicação são muito acima da média. Mas, há uma diferença de quase 40 pontos em relação às habilidades do QI de execução.

O que eu senti ao receber essa devolutiva, foi uma sensação de alívio. Entendi porque eu era vista como uma menina extremamente inteligente e comunicativa. Mas também, como uma garota que enfrentava desafios ao desempenhar tarefas simples do dia a dia.

O autoconhecimento nos liberta dos rótulos

Em minha trajetória, por diversos momentos, fui rotulada como preguiçosa. E até pouco cuidadosa. O resultado do teste de QI me deu um sentimento de rebeldia. Mas não revolta. Notei que posso seguir em frente. E não vou me limitar a essas características. Ao contrário, vou trabalhá-las para me tornar a pessoa mais feliz que puder ser. E o mais bem adaptada possível. O que faço com o resultado do que sou é o que realmente importa. O autoconhecimento nos permite a aceitação do jeito que somos. E também nos estimula a transformar o que precisa ser modificado.

Compartilhe

Comentários

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Moradias para pessoas com deficiência intelectual são criadas nos EUA — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / The Arc Jacksonville Village

Moradias para pessoas com deficiência intelectual são criadas nos EUA

/
Por Redação do Canal Autismo
Uma das preocupações mais relatadas por familiares de pessoas…
O que é “parecer” autista? — Canal Autismo / Revista Autismo

O que é “parecer” autista?

/
Por Sophia Mendonça
Estreei como palestrante em 2015. Tinha 18 anos de idade. Lembro-me,…
Mulheres autistas relatam impacto do diagnóstico na vida adulta — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / The Guardian

Mulheres autistas relatam impacto do diagnóstico na vida adulta

/
Por Redação do Canal Autismo
O jornal britânico The Guardian promoveu uma pergunta respondida…