Por

Sophia Mendonça

"Jornalista, escritora, apresentadora, cineasta, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de sete livros, mantém o site O Mundo Autista no Portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Transição social

15 de dezembro de 2020

Tempo de Leitura: 2 minutosUma pesquisa quantitativa de 2020 reforçou a ideia de que a diversidade de gênero na população autista é maior do que no público em geral. Apesar de muitos ainda se assustarem com dados e estudos como esse, a questão está longe de ser novidade para mim. Eu não tenho lembranças de me comunicar comigo mesma, por pensamento, sem utilizar pronomes femininos, mesmo tendo sido identificada como homem no nascimento 

Minha mãe relata a primeira vez quando, ainda na primeira infância, disse a ela que “queria ser menina”. Quando entrei na adolescência, o desconforto com o meu corpo tornou-se muito evidente. Viajava à praia ou a lugares onde havia piscinas sempre com camisa e bermuda. Não usava sungas e sequer tirava a blusa. Tinha pesadelos recorrentes em que pelos nasciam em meu corpo e, quando eles vieram, não hesitei a apelar para a depilação a cera. Isso, mesmo com todo o desconforto sensorial que esse método pode trazer a uma pessoa autista.

Eu soube que era autista aos treze anos de idade, dois anos após receber o diagnóstico. Aos quatorze, fui encorajada por minha mãe a relatar aos profissionais que me acompanhavam sobre o forte sentimento de incongruência em relação ao sexo biológico. Foi o meu primeiro grande trauma. A equipe profissional evitava o assunto e buscava me ensinar estratégias para que tivesse comportamentos e trejeitos menos “afeminados”, com o argumento de que isso evitaria o bullying. Sempre que eu tocava no tema, sentia-me invalidada, como se eu não pudesse ter a percepção de quem eu era por mim mesma. 

Havia uma forte curiosidade, por parte da equipe multidisciplinar, em saber minha orientação sexual, embora gênero e sexualidade sejam aspectos diferentes da identidade de uma pessoa. Uma pessoa trans pode manifestar qualquer orientação sexual. Por algum tempo, tentei aceitar o rótulo que me foi concedido de “homem gay” como forma de atenuar minhas angústias.

Há alguns meses, iniciei o processo de transição social, com acompanhamento psiquiátrico e psicológico e terapia hormonal com endocrinologista. Durante o processo de retificação de documentos e consultas médicas, precisei me sentir protegida por um amigo que me levava aos lugares onde precisava ir, tanto pelas minhas disfunções executivas quanto pelo medo da transfobia. A sociedade, que já tende a ter menor condescendência com o adulto e com deficiências invisíveis, é atravessada por muitos outros preconceitos e desinformações.

Considero a expressão “transição social” a mais adequada para definir o processo, porque sempre me vi como mulher, sempre fui mulher. A reação das pessoas próximas e muitos seguidores foi de respeitar a expressão da identidade de um ser humano que resgatou sua essência, revelando, enfim, o verdadeiro aspecto. E eu? Sigo flamejante no desejo de ser feliz e contribuir positivamente à sociedade, mas livre das amarras que se transformaram em sofrimento solitário.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Dia do Autistão - Revista Autismo

Dia do Autistão 2019 trará autistas de todo o Brasil ao Rio

/
Por Tiago Abreu
A Organização Diplomática do Autistão, de amplitude internacional e formada exclusivamente por autistas, promoverá em 31 de março de 2019 o evento Dia do Autistão, na cidade do Rio de Janeiro.
#esefosseseufilho — E se fosse seu filho?

#eSeFosseSeuFilho

/
Por Luiz Fernando Vianna
Muita gente dirige aos nossos filhos olhares de compaixão. Seria bem melhor que demonstrassem empatia. Pôr-se no lugar de pessoas que têm autismo ou outros transtornos é tarefa difícil para os neurotípicos, mas fundamental para quebrar a falsa barreira entre “normais” e “deficientes”. Foi na batalha por empatia que mães se uniram, em 2016, num grupo de WhatsApp, o Juntos. A rede de familiares de pessoas com deficiências cresceu e, entre outras ações, criou #eSeFosseSeuFilho. A hashtag ganhou alcance nacional a partir de 2018. Algumas das mães participaram do programa “Encontro com Fátima Bernardes”. E artistas foram convidados a gravar vídeos com relatos de quem acompanhou os filhos sendo alvos de preconceito e exclusão.

Espectro Artista

/
Por Redação da Revista Autismo
Diagnosticada com Síndrome de Asperger, a desenhista tem 29 anos, é paulistana e, desde pequena, é extremamente apaixonada por tudo relacionado aos dinossauros. Atualmente trabalhando como desenhista freelancer, Camila tem fluência em inglês, adora viajar e ir para baladas e festas. Tem formação em mergulho autônomo — tendo mergulhado em cavernas à noite em mar aberto — e não concluiu a faculdade de biologia.