Por

Tiago Abreu

"Jornalista e fundador do podcast Introvertendo."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Dia das Mães é comemorado na comunidade do autismo com histórias e reflexões

10 de maio de 2021Imagem: Pillar Pedreira/Agência Senado

Tempo de Leitura: 2 minutosO Dia das Mães, comemorado todo segundo domingo do mês e, em 2021, no dia 9 de maio, foi celebrado na comunidade do autismo de múltiplas formas. Com a participação de mães de autistas e mães autistas, a data foi marcada por reflexões sobre a maternidade atípica, histórias de lutas de mães e também materiais especiais.

A minha vontade era de dizer assim pra essas famílias: olha, existe um caminho e vamo junto porque ele é possível, mas pra isso a gente precisa conhecer, a gente precisa estudar, a gente precisa se unir”, disse Ana Paula Chacur, mãe de duas crianças no espectro, para o Bom Dia SP.

Sobre os desafios da maternidade atípica, a jornalista Andréa Werner foi enfática sobre os estereótipos em torno de expressões como “mãe especial”. “A gente não quer ser vista como santa, nem como guerreira. A gente que ter nossos direitos reconhecidos e a gente quer que o direito dos nossos filhos sejam reconhecidos. Nossos filhos não são pesos, não são fardos. Eles são pessoas que têm direitos que são negligenciados por várias esferas”, disse ao G1.

A psicóloga Mayra Gaiato promoveu uma live com Fátima de Kwant, também mãe e jornalista, sobre sua história, no Instagram. Outros profissionais, como a psicóloga Natalie Brito, aproveitaram a data para publicar textos sobre questões históricas do autismo, como a antiga e falsa hipótese de que o autismo era causado pelas mães.

Por outro lado, filhos de mães também se manifestaram nas redes. O fotógrafo Nicolas Brito, por exemplo, declarou “feliz Dia das Mães pra essa mulher maravilhosa que nunca desistiu de me estimular”. Já um podcast feito por autistas chamado Spectre publicou um episódio sobre mães autistas:

Por outro lado, a data também foi marcada pelo luto das famílias e, consequentemente, dos autistas que perderam suas mães diante da pandemia de Covid-19. Um desses casos foi o de Ana Lucia Leite Felix, de Santos (SP).

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

/
Por Fernando Cotta
O Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab) é uma organização não-governamental (ONG), sem finalidades lucrativas, formado por mães, pais, autistas, seus familiares e amigos interessados no tema, todos voluntários que trabalham incessantemente pela melhoria da qualidade de vida das pessoas autistas e de suas famílias.

Mediador escolar: quem tem direito?

/
Por Lucelmo Lacerda
Mediador ou tutor são alguns dos inúmeros nomes dados ao profissional que tem por função acompanhar estudantes com autismo na sua escolarização. Diz a Lei Federal 12.764 que: “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista [...] terá direito a acompanhante especializado”. Alguns compreendem que o papel deste acompanhante é o de cuidador. Se assim for, só têm direito estudantes que não consigam, sem auxílio, ir ao banheiro, comer, ou executar outras atividades de igual natureza.. Mas como o acompanhante deve ser “especializado”, vou pressupor aqui que seu papel seja apoiar também o ensino (isso pode ser feito em vários modelos, que não explorarei neste texto).
ABA e o ensino da fala — Celso Goyos — Revista Autismo

ABA e o ensino da fala

/
Por Celso Goyos
A fala antecede a aquisição da linguagem complexa e é uma das características mais marcantes que o ser humano apresenta, sendo, para muitos, o divisor de águas entre seres humanos e infra-humanos. Quando, após a idade de 18 meses, a criança não apresenta a fala, ou a apresenta, mas de forma menos desenvolvida do que outras crianças de mesma idade e de nível sócio-econômico-cultural semelhante, é motivo de grande preocupação para os pais. Se a ausência, ou atraso, da fala persiste após os 18 meses, e a criança não apresenta prejuízo na estrutura auditiva e na estrutura da fala, tampouco apresenta prejuízos neurológicos significativos que justifiquem a condição, esta criança pode estar sob suspeita do diagnóstico de autismo. Este diagnóstico pode se confirmar, ou não, a depender das outras características definidoras apresentadas na condição do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).