Por

Redação da Revista Autismo

Bienal Virtual do Livro de SP terá Mauricio de Sousa falando de personagens com deficiência

9 de dezembro de 2020

Tempo de Leitura: < 1 minuto

Live terá também a participação de representantes da Casa Hunter, Sarepta e Revista Autismo

No dia 10 de dezembro de 2020, às 15h00, acontece uma live com tema muito importante na Bienal Virtual do Livro de São Paulo: diversão e inclusão – a importância dos personagens com deficiência nas histórias infantis. Para um tema como esse, ninguém mais indicado que o pai da Turma da Mônica, o desenhista Mauricio de Sousa. Além dele, participarão também Antoine Daher, presidente da Casa Hunter, e Fábio Ivankovich, diretor da Sarepta Brasil. Quem media o debate é o jornalista Francisco Paiva Junior, editor-chefe da Revista Autismo.

Publicidade
Tismoo Biotech

Dividida em quatro setores virtuais, o live acontece na “Conexão Turma da Mônica” com participação gratuita. O debate deve girar em torno do tema inclusão e diversidade, além dos diversos personagens com deficiência da Turma da Mônica, como Luca (cadeirante), André (autista), Tati (com Síndrome de Down), Edu (com Distrofia Muscular de Duchenne) entre outros.

Live: Diversão e inclusão – a importância dos personagens PcD nas histórias infantis
Quando: 10 de dezembro às 15h00 (horário de Brasília)
Duração: 1 hora
Onde:  Espaço Infantil Turma da Mônica na 1ª Bienal Virtual do Livro de São Paulo

Compartilhe

Autismo x genética

Por Graciela Pignatari
Como a ciência explica hoje a ligação entre autismo e genética Graciela…

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.