Por

Redação do Canal Autismo

Canal Autismo é a maior plataforma de conteúdo a respeito de autismo da América Latina.

Facebook de Redação do Canal AutismoLinkedin de Redação do Canal AutismoInstagram de Redação do Canal AutismoCanal no Youtube de Redação do Canal Autismo

Amazonas e Rio Grande do Sul começam a emitir carteira de identificação para autistas

23 de junho de 2021Imagem: Ministério Público de Pernambuco/Reprodução

Tempo de Leitura: < 1 minutoEm consonância com a Lei Romeo Mion, que estabeleceu a criação da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (CIPTEA) para todos as unidades federativas do Brasil, alguns estados remanescentes começaram a emitir o documento para autistas. É o caso recente do Rio Grande do Sul e Amazonas, que aproveitaram o Dia do Orgulho Autista para iniciar suas atividades.

No Rio Grande do Sul, as pessoas podem solicitar o documento online ou presencialmente. É exigido laudo médico, comprovante de endereço e outros documentos pessoais. Segundo ojornal Zero Hora, foram mais de 70 solicitações apenas no primeiro dia de confecção da CIPTEA.

Publicidade
Academia do Autismo

No Amazonas, a secretária Lêda Maia comentou a ação. “A Ciptea é um sonho antigo dos pais de filhos autistas desde que a gente lançou a Carteira de Identificação da Pessoa com Deficiência. A Ciptea já era esperada por esse público há muito tempo, principalmente porque ela tem o diferencial de ter a validade nacional e também porque o autismo não é uma deficiência aparente”, disse em nota do governo.

Alguns estados como Pará, São Paulo, Roraima e Paraná já emitiam, em alguns municípios, a CIPTEA. Já outros estados, como Goiás e Amapá, implantaram uma carteira de identificação antes mesmo de existir a lei federal.

Compartilhe

Minhas percepções sobre a trajetória do autismo no Brasil

/
Por Maria Elisa Granchi Fonseca
Eu costumo dizer que sou da velha geração do autismo no Brasil. Daquela geração que no final dos anos 1980, não tinha livros para ler, internet para consultar, professores para orientar, mas tinha crianças para atender. Pois é. Elas sempre existiram. Eu sou da geração 80 que colocava na porta a plaquinha “Em atendimento”, entrava na sala com a criança e não sabia o que fazer. Eu não tenho vergonha de contar essa passagem da minha vida, pois foi dali que eu passei a entender que algo precisava ser feito. Eu realmente não sabia o que fazer com aquela criança que ali estava e não tinha ninguém que pudesse me orientar com precisão naquele momento.

Palavra mágica

/
Por Wagner Yamuto

Esta é a frase mágica que utilizamos quando o Gabriel tenta uma interação social com outras pessoas.

As terapias fazem parte de nossas vidas desde 2011 e, de vez em quando, ele tenta interagir com o mundo que está à sua volta. Por outro lado, ele não sabe muito bem como fazer esta aproximação e, na maior parte das vezes, a reação da outra parte acaba não sendo tão amigável.