Por

Fabio Cordeiro, o "Aspie Sincero"

"Presidente da ONDA-Autismo e membro do Conselho de Autistas; ativista; administrador da página @aspiesincero no Instagram, servidor público federal, palestrante e escritor."

Instagram Autor

Meme Sincero: ‘Ah, mas você fala: como que pode ser autista?’

23 de maio de 2021Meme Sincero: 'Ah, mas você fala, como que pode ser autista?' — Canal Autismo / Revista AutismoAspie Sincero

Tempo de Leitura: < 1 minutoDéficit de comunicação nem sempre quer dizer que a pessoa não fale.

Quando se trata das características do autismo, em especial as que são critérios de diagnóstico, a dificuldade de comunicação está sempre presente — e aqui estão inseridas a comunicação verbal e não verbal.

Além disso, este aspecto está intimamente ligado aos outros pontos que servem de critério para diagnosticar o TEA, que são os interesses específicos e comportamentos repetitivos; além da dificuldade de interação social.

Pois pensem comigo: uma pessoa que, como é comum no autista, só fala de seus interesses específicos e tem dificuldade de se inserir em outros temas, logo terá dificuldade de comunicar, pois pode fugir facilmente do contexto num meio de socialização, como no exemplo da imagem onde o assunto de hiperfoco do menino, no caso hipopótamo, claramente não serviria para um flerte.

Logo, o interesse específico que ocasionou a dificuldade de comunicação social, culminou numa imensa dificuldade de interação social.

E assim é o TEA explicado em um meme.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

MOAB — Movimento Orgulho Autista Brasil

/
Por Fernando Cotta
O Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab) é uma organização não-governamental (ONG), sem finalidades lucrativas, formado por mães, pais, autistas, seus familiares e amigos interessados no tema, todos voluntários que trabalham incessantemente pela melhoria da qualidade de vida das pessoas autistas e de suas famílias.

Mediador escolar: quem tem direito?

/
Por Lucelmo Lacerda
Mediador ou tutor são alguns dos inúmeros nomes dados ao profissional que tem por função acompanhar estudantes com autismo na sua escolarização. Diz a Lei Federal 12.764 que: “Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista [...] terá direito a acompanhante especializado”. Alguns compreendem que o papel deste acompanhante é o de cuidador. Se assim for, só têm direito estudantes que não consigam, sem auxílio, ir ao banheiro, comer, ou executar outras atividades de igual natureza.. Mas como o acompanhante deve ser “especializado”, vou pressupor aqui que seu papel seja apoiar também o ensino (isso pode ser feito em vários modelos, que não explorarei neste texto).
ABA e o ensino da fala — Celso Goyos — Revista Autismo

ABA e o ensino da fala

/
Por Celso Goyos
A fala antecede a aquisição da linguagem complexa e é uma das características mais marcantes que o ser humano apresenta, sendo, para muitos, o divisor de águas entre seres humanos e infra-humanos. Quando, após a idade de 18 meses, a criança não apresenta a fala, ou a apresenta, mas de forma menos desenvolvida do que outras crianças de mesma idade e de nível sócio-econômico-cultural semelhante, é motivo de grande preocupação para os pais. Se a ausência, ou atraso, da fala persiste após os 18 meses, e a criança não apresenta prejuízo na estrutura auditiva e na estrutura da fala, tampouco apresenta prejuízos neurológicos significativos que justifiquem a condição, esta criança pode estar sob suspeita do diagnóstico de autismo. Este diagnóstico pode se confirmar, ou não, a depender das outras características definidoras apresentadas na condição do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).