Por

Sophia Mendonça

"Jornalista, escritora, apresentadora, cineasta, 24 anos, diagnosticada autista aos 11, autora de sete livros, mantém o site O Mundo Autista no Portal UAI e o canal do YouTube Mundo Autista."

Facebook AutorTwitter AutorInstagram AutorYoutube Autor

Empatia no autismo

6 de outubro de 2021Empatia no autismo — Canal Autismo / Revista AutismoReprodução / Wikimedia CommonsImagem: MissLunaRose12/Reprodução

Tempo de Leitura: 2 minutosFelizmente, o entendimento sobre a empatia no autismo deixa para trás, a crença de que autistas não são empáticos. Ou seja, isso acontece, à medida em que se ampliam os estudos sobre aspectos cognitivos e emocionais sobre a empatia. Afinal, esse é um conceito de complexa definição científica no qual vários fatores se entrelaçam.

Entretanto, autistas tendem a ser autocentrados. Contudo, às vezes, há uma má interpretação sobre o que essa característica significa. Certamente, essa característica não quer dizer, necessariamente, que a pessoa seja egoísta ou egocêntrica. Ou, ainda, que não se importe com os outros. Ou qualquer outro juízo de valor.

A empatia e o autista autocentrado

Quando se é autocentrado, até o seu sofrimento do outro, você enxerga a partir de sua própria percepção. Então, é essa percepção que, em diversos momentos, leva você a mover céus e terras para ajudar uma pessoa. Mesmo que ela não necessite ou precise desse auxílio. Ou ainda, sem que ela sequer tenha solicitado sua ajuda. Desse modo, você não compreende porque o ouro tem um modo diferente de vivenciar tal sentimento que provoca a dor. Às vezes, o outro tem uma maneira bem mais leve de encarar a situação. Entretanto, para o autista, se ele pensa que estaria sofrendo nessa mesma experiência do outro, nasce, instantaneamente , o desejo de levar a melhor solução à outra pessoa.

Nada é um mal ou um bem em si

Isso me levou à reflexão. Fiquei pensando se há benefícios em ter um funcionamento mais autocentrado. No contato com outras pessoas, essa característica é, muitas vezes, rotulada como algo negativo. Ao longo da minha vida, ouvia como uma crítica, a percepção de que eu era autocentrada. Em outras palavras, que seria algo a ser compensado por outras características. Por exemplo, as capacidades acadêmicas.

Ser autocentrada não é necessariamente algo ruim. Nada é um bem ou mal em si. O que define o impacto das características em nosso dia a dia, é como lidamos com elas.

Empatia no autismo e a ética

Precisamos ter ética com o outro. Se eu conheço e sei lidar com o meu funcionamento autocentrado, consigo ampliar ou até mesmo, otimizar o meu cuidado com o outro. Por muito tempo, acreditei que esse traço só faria mal aos outros. Como se eu não tivesse, sequer, a noção do que faz mal ao outro. Não. Não é bem assim.

Por ser autocentrada, eu sempre me autoanalisava. Ao mesmo tempo em que ser uma pessoa autocentrada me dificulta perceber algumas necessidades alheias, também me possibilita conhecer as minhas próprias necessidades. E a trabalhá-las para me tornar mais plena no encontro com o outro.

Compartilhe

Comentários

Academia do Autismo

Fique por dentro das últimas notícias!
Assine a nossa News.

Autismo e outros transtornos do espectro autista

Por Redação da Revista Autismo
O Autismo Infantil foi descrito inicialmente por Kanner em 1943…

Pesquisa do CDC revela número alto de prevalência de autismo nos EUA em crianças de 8 anos, além de grande aumento em relação a pesquisa anterior

/
Por Redação da Revista Autismo
Os números são de se duvidar. Não fosse a credibilidade do Center of Disease Control and Prevention (CDC, sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças), nos Estados Unidos, a pesquisa poderia ser questionada. Mas não é o caso. Dizer que, em média, nos Estados Unidos, temos uma criança dentro do espectro autista para cada 110 crianças de oito anos de idade é, no mínimo, alarmante. E estes são dados de 2006. Como é mais comum em meninos, eles apresentam números ainda mais preocupantes (um caso em cada 70 indivíduos), ao passo que meninas têm menor risco (um para 315) – a proporção é de quatro a cinco meninos para uma menina.

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

/
Por Redação da Revista Autismo
O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por esta razão o tratamento deve ser contínuo e envolver uma equipe multidisciplinar (Schwartzman, 2003). A eficácia de um tratamento depende da experiência e do conhecimento dos profissionais sobre o autismo e, principalmente, de sua habilidade de trabalhar em equipe e com a família (Bosa, 2006).